10 curiosidades do Noma que você não sabia – GQ

2

De todos os restaurantes famosos onde as pessoas sonham em comer, o Noma, de René Redzepi, em Copenhague (Dinamarca), leva o troféu. Suas mesas são as mais disputadas do mundo. Depois de fechar em 2017, ele foi reinaugurado em fevereiro deste ano – com visual que muda de acordo com a estação do ano – em um endereço mais afastado e selvagem do que o original, próximo ao bairro Christiania. No dia em que abriram o sistema de reservas online, houve uma avalanche de pedidos monumental.

Mas será que todo esse hype se justifica? Vale o imenso esforço e o alto custo? Vale sim! Só que há muito mais por trás do estrondoso sucesso do Noma do que a mídia e o Instagram mostram (confira o perfil @nomacph ou a hashtag #Noma2). Eis dez curiosidades que só quem come lá descobre:

Gastronomia (Foto: Divulgação)

1. O restaurante ocupa um ex-bunker onde guardavam armamentos de guerra.

2. Entre 300 e 500 turistas curiosos aparecem lá todo dia sem avisar querendo visitar o Noma (e são barrados).

3. O menu-degustação atual inclui 22 pratinhos feitos quase exclusivamente de vegetais da região. Deles, 12 incluem flores comestíveis.

4. Muita gente já sabe que o Noma agora serve só ingredientes do mar no inverno, vegetais nos meses quentes e ingredientes da floresta (caça, cogumelos etc.) no outono. O look do restaurante também muda conforme a estação, desde as louças às cúpulas dos lustres e os enfeites nas paredes.

Gastronomia (Foto: Divulgação)

5. A cada vez que clientes chegam, todos os funcionários da cozinha e da sala param o que estão fazendo e vão até a entrada dar as boas-vindas.

6. Ali Sonko, imigrante africano, pai de 12 filhos, que trabalhou por anos como lavador de pratos do Noma, foi promovido a sócio minoritário. Ele recebe os clientes e os acompanha pelo jardim até o restaurante.

+ Noma, um dos melhores restaurantes do mundo, vira tema de documentário
+ Com gastronomia em alta, México vira ‘novo Peru’

7. Há três brasileiros no staff. Dois estagiários e a craque Ana Cândida Ferraz, que dirigia o serviço de sala quando André Mifano cozinhava no Vito.

Gastronomia (Foto: Divulgação)

8. Há mais área no Noma dedicada aos funcionários do que aos clientes. Além de comer em uma belíssima cantina, quem trabalha lá tem à disposição mesas de piquenique (com vista para um lago), sauna seca e, em breve, uma sala de ginástica.

9. O arquiteto Bjarke Ingels, dono da firma BIG, assina o novo Noma, que, por coincidência, tem vista para outro projeto famoso dele: uma planta de transformação de lixo em energia elétrica, com inauguração prevista para dezembro de 2018, em cujo teto há uma pista de ski – que será aberta ao público e conta com elevador para os esquiadores descerem quantas vezes quiserem por ela.

10. O Noma fica ao lado do bairro Christiania, cujos primeiros habitantes eram hippies que invadiram alojamentos militares nos anos de 1970 e ficaram até hoje. Da sala de jantar, é possível ver um lago em cujas margens ainda habitam alguns dos moradores originais.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários