10 curiosidades sobre o Mirazur, o melhor restaurante do mundo – GQ

10

Por dentro do Número 1: Beterraba da horta do restaurante com molho de caviar (Foto: divulgação)

A França tem 26 restaurantes com a cotação máxima de três estrelas Michelin, que são aqueles templos gastronômicos onde clientes passam horas envoltos em menus degustação incríveis e sendo servidos como reis por brigadas ultracompetentes. Dentre eles só há um único que pertence a um estrangeiro, o argentino Mauro Colagreco – ele vive dizendo em entrevistas, aliás, o quanto é grato ao país de adoção por tudo o que conquistou na sua carreira. Antes de tornar-se estrela, ele deu duro nas cozinhas de outros chefs triestrelados: os famosos Bernard Loiseau, Alain Passard e Alain Ducasse. Quando, em 2006, um investidor multimilionário lhe ofereceu a chance de tocar um restaurante em Menton, ao sul de Nice, ele pulou na oportunidade e assim nasceu o Mirazur.

+ Tour gastronômico inclui Torre Eiffel e os melhores restaurantes do mundo
+ Livro reúne 40 hortas de alguns dos maiores chefs do mundo


Por dentro do Número 1: O terreno íngreme e alto a 300 metros do restaurante abriga a grande horta do Mirazur. Pedras sustentam os terraços no penhasco, construídos pelo rei Albert I, da Bélgica (Foto: divulgação)

Que o Mirazur acaba de conquistar o primeiro posto no ranking The World’s 50 Best Restaurants, ou 50 Best, todo mundo sabe. Este ano ganhou também a cobiçada terceira estrela Michelin. Na imprensa e nas mídias sociais só dá ele, Mauro Colagreco, o chef-proprietário argentino, e sua mulher Julia, carioca. O restaurante em Menton, com vista para o mar, no sul da França, e menu de inspiração mediterrânea virou a reserva impossível de conseguir que todos os foodies cobiçam. Acabo de voltar de lá e vou revelar o que só insiders sabem sobre o novíssimo restaurante mais famoso do mundo.


Por dentro do Número 1: A Spiaggetta Balzi Rossi, praia predileta de Mauro (à dir.) e Julia. (Foto: divulgação)

1. O restaurante fica a literalmente a 50 passos da Itália e boa parte dos ingredientes (e dos clientes!) vêm do país vizinho.

2. A cidadezinha mais próxima, do lado italiano, chama-se Ventimiglia e é o melhor lugar para se hospedar – mais pitoresca e menos turística do que Menton, do lado francês. Escolha um bed and breakfast na parte histórica – Ventimiglia Alta – um labirinto de ruelas medievais.

3. De Ventimiglia Alta, você pode ir a pé ao encantador Mercato Comunale, onde estão os fornecedores do Mirazur. Todas as manhãs, os chefs do restaurante estão lá comprando de cogumelos selvagens a frutas da temporada.

4. Nos raros momentos de folga, Mauro e Julia  vão pegar praia a cinco minutos do restaurante, na Spiaggetta Balzi Rossi, charmosa e privativa. É imprescindível reservar para passar o dia nas chaises longues e almoçar frutos do mar no simpático restaurante.

5. Só uma pequena parte da famosa horta do restaurante  fica no próprio terreno do Mirazur. A horta principal ocupa um terreno íngreme ainda mais alto, e fica a 300 metros do restaurante. Os terraços verdejantes são sustentados por pedras e foram construídos pelo primeiro proprietário, o rei Albert I da Bélgica. É nesse mesmo terreno histórico que fica a casa dos Colagreco.


Por dentro do Número 1: Pombo com morangos silvestres e espelta do Mirazur e salão do restaurante (Foto: divulgação)

6. A horta é cuidada em período integral por três argentinos chefiados por José Ignacio di Gregorio, sobrinho de Colagreco, que conta nunca ter plantado um tomate na vida até mudar-se para a França para trabalhar com o tio.

7. Há um belíssimo casarão do século 18 em plena horta, em ruínas, que Mauro e Julia Colagreco pretendem transformar em mini-hotel – as obras estão começando.

8. Na surdina, eles abriram uma pizzaria no centro de Menton, de frente para o porto, chamada Pecora Negra.

9. O Mirazur tem um time incrivelmente jovem de sommeliers liderado por Benoît Huguenin, menino-prodígio de 23 anos que começou a estudar vinhos aos 15.

10. Os estilosos uniformes azul-marinho foram desenhados pela argentina Mara Esteves Segobia da marca de sportswear MIWOK. Substituindo os broches de uva antigos e caretas, os sommeliers usam  peças assimétricas de miçangas de vidro da A La Vez, da também argentina Carolina Kirkwood. “No começo a gente estranhou, parecia meio feminino, mas já nos acostumamos”, diz Huguenin. 

Acompanha tudo de GQ? Agora você pode ler as edições e matérias exclusivas no Globo Mais,o app com conteúdo para todos os momentos do seu dia. Baixe agora!

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários