Farm e adidas provam que estampas e sportswear são a combinação perfeita – GQ

11

Já faz algum tempo que a Farm se uniu à adidas Originals para criar coleções bem  coloridas e que fazem o público pirar. E a nova parceria entre as marcas gira em torno da música – a principal referência vem do passinho, ritmo nascido nas comunidades cariocas e fortemente influenciado pelo funk. Mas a coleção também conta com influências do frevo pernambucano, do kuduru angolano, do krump americano e do dancehall jamaicano. O resultado é uma grande colcha de retalhos, um patchwork onde natureza, arte de rua, artesanato, gráficos retrô e arte contemporânea dançam lado a lado

“Trabalhamos o remix como o grande conceito de estamparia dessa coleção e tudo ganhou um ritmo próprio, uma dança”, conta Katia Barros, sócia-fundadora da Farm. “Olhamos como essa música é construída e desenvolvemos estampas com a lógica de mashup musical. A produção de moda desconstruiu para construir”, diz.

 (Foto:  )

Dessa vez, a collab fez diferente. Ao invés de trabalhar o conceito das peças através da estamparia, uma rede de grupos foi criada para dar tom a elas. O tropical e selvagem fazem menção à natureza brasileira, já a arte e o gráfico trazem códigos urbanos tão conhecidos pela marca.

“O ritmo altera em cada peça. Algumas são mais gráficas, outras mais tropicais. E esses ingredientes que configuram a coleção são utilizados em uma ordem de prioridade própria, o que é mais legal. Estamos muito felizes com essa nova forma de enxergar o processo criativo. O resultado não poderia ser outro!”, continua Katia Barros.

 (Foto:  )

As peças já estão à venda nas lojas e no e-commerce da Farm com preços que vão de R$149,99 a R$699,99.

Fonte Oficial: GQ.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários