3 formas de enganar o cérebro e parar de procrastinar – GQ

2

Não ler o livro que precisa ser lido, esquecer os estudos que vão ajudar a realizar um sonho, e deixar para o último dia do prazo todas aquelas tarefas: essa é uma realidade de muita gente! Mas Fagner Borges explica que existe uma forma de conseguir finalmente realizar tudo isso. “Quem procrastina muito está com o cérebro condicionado a isso, e existe uma forma de enganá-lo para acabar com essa condição”, explica o criador do Movimento Freesider, que busca permitir que as pessoas sufocadas pela rotina conquistem liberdade de tempo, mobilidade e dinheiro. Abaixo, 3 dicas para você conseguir seguir em frente com seus projetos!

1 – Entenda qual o seu tipo de procrastinação

Antes de explicar como “sacanear” o cérebro, Fagner Borges conta que existem dois tipos de tarefas afetadas pela procrastinação: aquelas tarefas do trabalho – como um relatório que precisa ser entregue na sexta-feira ou uma série de ações para diferentes clientes – e aquelas tarefas que deveríamos fazer gradativamente para realizar algo maior. “A diferença entre eles é que o primeiro tipo você vai acabar fazendo em cima da hora, e o segundo tipo vai ficar para trás e te impedir de avançar nos seus objetivos”, explica.

A procrastinação das atividades que precisam ser feitas de qualquer maneira tem relação com a Lei de Parkinson. “Essa lei foi publicada pelo professor Cyril Parkinson nos anos 1950, e diz que o trabalho se expande de forma a preencher o tempo disponível para sua realização”, explica Fagner. Isso significa que as pessoas que precisam entregar um trabalho no final da semana tendem a procrastinar e finalizar na hora da entrega, em vez de fazer antecipadamente. “Você pode reparar que, quando você tem muito trabalho e pouco tempo, você acaba fazendo tudo o que precisa nos prazos, porque seu cérebro sabe que não vai ter mais do que aquele curto espaço de tempo para realizar o que for necessário”, resume o criador do Movimento Freesider. “Quando você tem pouca coisa para fazer e tempo de sobra, a preguiça aumenta e você tende a procrastinar cada vez mais”.

Para quem vive procrastinando tarefas relacionadas ao trabalho ou aos estudos, Fagner sugere que sejam criadas mais tarefas. “Se eu tenho 40 horas para realizar algumas atividades, eu acabo fazendo minha mente alocar todo o tempo para elas”, explica. “Por isso, é uma boa ideia começar a incluir atividades no meio do dia e compromissos durante a semana para deixar sua agenda mais cheia, assim você engana seu cérebro e dá menos tempo a ele, se forçando a realizar mais coisas em menos tempo”, sugere.

Para isso, Fagner ressalta a importância de concentrar-se totalmente na tarefa a ser feita e deixar de lado as distrações, como notificações de e-mails e redes sociais, deixando o celular longe do alcance das mãos por um tempo. “Repare que você consegue fazer o mesmo trabalho que faz em uma semana nos três dias antes de um feriado prolongado, ou que muitas vezes a tarefa adiada por dias é feita em algumas horas”, exemplifica. Desta forma, ao estabelecer uma rotina mais intensa, o cérebro aprende a fazer mais em menos tempo.

É importante atentar para o tipo de atividade que será acrescentada à rotina, já que não é necessário trabalhar ainda mais. “Aproveite para incluir na rotina coisas que te fazem bem, como uma atividade física, mais tempo com seus filhos, cursos ou um check-up médico, por exemplo”, completa. O Movimento Freesider foi criado justamente para ajudar as pessoas a viverem a vida fazendo o que gostam e trabalhando de forma inteligente, para que não passem tanto tempo da vida em um trabalho de que não gostam, sem espaço na rotina para se dedicar ao que realmente importa.

Fagner Borges explica que a procrastinação acontece porque somos condicionados a evitar aquilo que causa dor. “O nosso cérebro é preparado para nos proporcionar apenas o que dá prazer, e geralmente é a zona de conforto que causa essa sensação”, conta. No caso de atividades de prazo maior, como se dedicar a um novo negócio ou estudar para algo que será importante no futuro, o segredo é mostrar para o cérebro que não realizar essas tarefas trará ainda mais dor do que prazer. “Você precisa associar tanta dor ao fato de não estudar e não investir seu tempo em algo que vai te dar liberdade no futuro, que seu cérebro vai perceber que é melhor realizar essas tarefas”, explica Fagner.

Ao associar toda essa dor que virá no futuro se permanecer na mesmice, o cérebro passa a mudar as associações de dor e prazer. “É por isso que eu digo que, quando você faz isso, você ‘sacaneou’ o seu cérebro em relação ao que ele foi condicionado”, completa. Por fim, Fagner destaca o quanto estas duas formas de evitar a procrastinação são fundamentais para quem deseja empreender ou encontrar novos rumos profissionais. “Eu entendo que você não pode se dar ao luxo de largar seu trabalho de repente, mas se você consegue fazer mais atividades em menos tempo, e ainda se dedica ao que vai te dar resultado no futuro, você já está no caminho certo”, completa.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários