4 vezes em que artistas se manifestaram durante festivais de cinema – GQ

8

O ator e diretor Wagner Moura marcaram a exibição do longa Marighella em Berlim em tom político. Wagner levantou uma placa em homenagem à deputada carioca Marielle Franco (PSOL-RJ), que, junto do motorista Anderson Pedro Gomes, foi assassinada no ano passado.

Esta é mais ou menos a notícia do dia, a coisa quente. Mas atores se manifestando politicamente no palco de grandes festivais, bem, isso não é raridade alguma. Até porque artistas como atores sociais é algo que vem de muito tempo – Platão não era exatamente omisso a respeito do famoso – e politizado – julgamento de seu mestre em sua Apologia de Sócrates, lá na velha Atenas. Nas palavras do ativista e escritor James Baldwin: “Uma sociedade deve assumir que é estável, mas o artista deve saber, e nos deixar saber, que não há nada estável sob o paraíso”.

Abaixo listamos outros quatro momentos de protesto em grandes festivais:

As mulheres marcam presença no Cannes pós-Harvey Weinstein – 2018

O tapete vermelho do filme Filles du Soleil, de Eva Husson, foi ocupado por 82 atrizes – entre elas, Salma Hayek, Cate Blanchett, Kristen Stewart, Marion Cotillard e a diretora brasileira Beatriz Seigner –  em protesto pela igualdade salarial e representatividade na indústria. O caso Weinstein e suas repercurssões, vale lembrar, estavam quentes na memória coletiva, e o #MeToo ainda estava bem no comecinho. No todo, foi uma das imagens simbólicas contra o abuso e pelo direito das mulheres – nas artes e além delas.

As 82 mulheres reunidas após marcharem juntas no tapete vermelho (Foto: Getty Images)

Guillermo Del Toro pede por mais mulheres no cinema no Festival de Veneza – 2018

A 75ª edição do Festival de Veneza foi marcada por protestos, críticos à falta de diversidade dos premiados. Alberto Barbera, diretor artístico do Festival, chegou a se posicionar contra. Na coletiva de abertura, o cineasta mexicano Guillermo Del Toro falou a favor de mais apoio às produções dirigidas por mulheres. “Não é uma polêmica, é um problema real e precisa ser resolvido”, disse.

O discurso acabou encontrando pouca base durante o festival – Del Toro e os outros membros do júri tiveram que escolher entre 21 filmes, sendo que somente um foi dirigido por uma mulher.

Chelsea Handler lidera caminhada contra Trump em Sundance – 2017

Na manhã de sábado de Sundance, a comediante americana Chelsea Handler e outras 8 mil mulheres saíram pelas ruas sob 21º negativos em marcha contra Donald Trump. Organizada por Chelsea, e com a presença de gente como Kristen Steward, Charlize Theron, Mary McCormack e apoiadores como Nick Offerman e John Legend. 

+ Burberry apresenta coleção com crítica ao Brexit e nacionalismo britânico
+ No dia da visibilidade trans, é a invisibilidade que segue em voga

A marcha foi uma de várias manifestações organizadas por mulheres nos dias seguintes à posse de Trump, e abordou temas que vão da luta feminista e LGBT ao papel da Rússia nas eleições. 

Sonia Braga no tapete vermelho de Cannes (Foto: Getty Images)

O elenco de Aquarius levanta placas contra Temer em Cannes – 2016

No Palais des Festivals, a exibição do longa Aquarius no Festival de Cannes começou em tom político. Tanto a equipe do longa quanto outros cineastas brasileiros na plateia ergueram cartazes contra o governo provisório de Michel Temer e o processo de impeachment de Dilma Rousseff.

Em conversa com a GQ, Sonia Braga descreveu o clima do momento: “A equipe e o elenco se comunicaram com o Brasil por meio desta ação. Eu já tinha subido a escadaria do Palais e vi que não tinha ninguém comigo. Aí vi que estavam com os cartazes e voltei para estar junto. Acho importante. Todo mundo que tem um pensamento deve se manifestar.”

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários