5 artistas brasileiros que você pensou que fossem gringos – GQ

8

Quando digitamos “Alok é…” no Google, o primeiro complemento sugerido pelo site de buscas é… “brasileiro”. Apesar do imenso sucesso do DJ, com constantes aparições na televisão e nas manchetes da internet, muita gente, por incrível que pareça, ainda pergunta se o brasilense é gringo.

Não se trata de um caso isolado. Há histórias de outros artistas no Brasil que foram confundidos com estrelas internacionais, quando não fingiram que eram, deliberadamente. Abaixo, esclarecemos maus entendidos, como o vivido por Alok, vistos nas paradas de sucesso do Brasil desde a década de 70.

+ Para Alok, “o amor entre duas pessoas não é opinião do Estado”
+ Saiba quem são os DJs mais bem pagos do mundo
 

DJ brasileiro mais reconhecido fora do país, Alok se criou como artista famoso primeiramente em festivais de música eletrônica internacionais – o que ajuda a explicar a confusão em relação à nacionalidade. Além disso, pesa o seu nome de batismo. Sim, o jovem de 27 anos se chama Alok. Para ser mais preciso, Alok Achkar Peres Petrillo.

“Destaque internacional…”. Com essa e outras muitas falas impagáveis, um empolgado Gilberto Barros dançava o hit Can’t Get Over no palco do extinto Sabadaço, da TV Bandeirantes. A apresentação de Kasino, nome artístico do DJ Fernando Biscaia, se tornou meme e mostra o nível da confusão que envolvia o projeto de dance music no início do século. Um marco dos chamados “eletrohits”, a faixa apareceu até na trilha sonora internacional da novela América, da TV Globo, mesmo sendo inteiramente brasileira. Fernando é carioca e morava em Santos no auge do seu breve sucesso.

Nascida em 1984, a banda mineira segue sendo uma das marcas brasileiras mais reconhecidas no mercado internacional. Com passagens em mais de 70 países, o projeto criado pelos irmãos Max Cavalera e Igor Cavalera confundiu muito o público brasileiro e estrangeiro pelas letras em inglês e pelo êxito no mundo do heavy metal, um território pouco explorado por outros artistas tupiniquins até então.

Fábio Jr (ou seria Mark Davis?)

Antes de virar astro de novela da TV Globo em Nina (1978), Fábio Jr lançou um disco só com músicas em inglês. Sob o pseudônimo Mark Davis, o pai de Cleo Pires mostrava a sua vocação para o sucesso, emplacando um hit, chamado Don’t Let Me Cry, em 1973. Mesmo tocando na rádio, o cantor não se tornou famoso de imediato, pois boa parte do público acreditava se tratar de uma voz estrangeira.

Chrystian, da dupla Chrystian e Ralf

Além de Fábio Jr, Chrystian, da dupla Chrystian e Ralf, também cantava em inglês anos 70 – e, acredite, com imenso sucesso. O seu maior hit, Don’t Say Goodbye, foi trilha da novela Cavalo de Aço (1973) e ficou semanas entre as mais tocadas nas rádios. O sucesso, porém, tinha sido o seu preço: por ordem da gravadora, o cantor foi proibido de aparecer na mídia. Por motivos obscuros, a ideia era que o público pensasse que ele fosse estrangeiro.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários