5 livros para saber quem foi Philip Roth – GQ

7

Falecido na noite da última terça-feira (22) vítima de uma insuficiência cardíaca, o escritor americano Philip Roth escreveu 31 livros ao longo de sua carreira e, sem exageros, pelo menos 10 deles podem figurar tranquilamente em listas de melhores de todos os tempos. As obras ganharam prêmios, causaram polêmica e, no geral, abalaram profundamente o panorama da ficção americana. Mas se mesmo assim você nuncna ouviu falar em Roth, aqui vão algumas dicas de por onde começar.

O Complexo de Portnoy

A dialética freudiana de Alexander Portnoy sobre seus pais, seu judaísmo e sua sexualidade é um marco na ficção confessional. A prosa é louca e incessante, repleta de piadas e, bem, muito barulhenta. Um choque de Roth.

O Teatro de Sabath

Quando dizia-se que Roth poderia estar em decadência criativa, surgiu um livro mais feroz e combativo do que qualquer coisa que ele já tivesse feito. O protagonista Mickey Sabbath representa a melancolia do homem americano falido e decidido a destruir todas as convicções contemporâneas.

Pastoral Americana

Com certeza a maneira mais impactante de começar a ler um escritor. O livro apresenta um herói arquetípico: Seymour Levov, o loiro de olhos azuis que vive o Sonho Americano. Mas pouco a pouco sua vida de comercial de TV é destruída quando sua filha Merry se mostra contrária à Guerra do Vietnã. Escrita de tirar o fôlego, tragédia, comédia e desespero: o pacote Roth completo.

Complô contra a América

O que aconteceria se um presidente simpatizante ao nazismo tivesse vencido as eleições nos EUA dos anos 1940? Em uma mistura de história e distopia, Roth brinca com uma situação bizarra para expor preconceitos velados na sociedade americana. Spoiler: o livro é mais atual do que nunca.

Nêmesis

O pequeno romance da última fase criativa de Roth se passa em Nova Jersey no “calor sufocante” do verão de 1944. Talvez um dos mais autobiográficos de seus romances. A história trata da epidemia de poliomielite que atingiu a região naquele ano (numa época que a pólio era uma ameaça enorme à humanidade). Medo, pânico, raiva, perplexidade e dor são as constantes aqui.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários