5 motivos para acreditar que Kanye West é um deus da música – GQ

3

Kanye West completa 41 anos nesta sexta-feira (8). Provocando reações acaloradas a cada atualização em sua conta no Twitter, o rapper nunca esteve tão em evidência – tanto pelo recente lançamento de Ye, seu mais novo disco, quanto por suas frases mais indefensáveis, como “a escravidão foi uma escolha” e outras bobagens.

A data especial pede que corrijamos a rota da discussão e relembremos o que realmente interessa. Antes de polêmico e independentemente do seu atual estado emocional, Kanye West é um músico genial. Provavelmente o mais brilhante e influente do século. Isso ninguém tira dele.

Para iluminar a sua memória, decidimos relembrar alguns dos motivos que fazem o Kanye ser tão importante para a arte – a ponto do artista chamar a si mesmo de Yeezus, uma versão moderna de cristo. Ainda que possa ser vista como uma comparação religiosa exagerada, a denominação cai como uma luxa quando falamos somente sobre a sua importância na música.

É difícil não admitir que há um espectro de divindade orbitando sobre as suas criações. Quando ouvimos Ultralight Beam, por exemplo, talvez a sua música mais grandiosa, temos a impressão de uma experiência quase religiosa, se é que não chegamos mesmo a transcender o plano humano. Isso, caro leitor, só pode ser a influência de um deus da música.

O maior produtor da história

Kanye West é o midas do século. Tudo o que ele toca, vira clássico. A sua primeira grande contribuição para a música aconteceu num clássico do rap, The Blueprint, de Jay-Z, em 2001. No álbum, o marido de Kim Kardashian daria uma amostra do seu imenso e brilhante repertório de samples, misturando ícones do soul aos versos fortes do disco conceitual.

Ele mudou os rumos do rap

Antes de Kanye West, o maior ícone do rap era 50 Cent, o maior símbolo de uma era marcada por letras sobre gângsters difíceis de lidar e apaixonados por carros e tudo o que pode ser interpretado como ostentação. Com The College Dropout, Yeezus catapultou o rap para um outro patamar, abordando temas profundos como preconceito, materialismo, religião e preconceito racial.

Máquina de discos grandiosos

Se Kanye West tivesse entregue ao mundo apenas The College Dropout, já teria dado uma enorme contribuição à arte. Mas o homem não se contentou e nos entregou Late Registration, Graduation, 808s & Heartbreak e, claro, a sua obra-prima, My Beautiful Dark Twisted Fantasy. Recentemente, no mesmo hall de clássicos, encontramos Yeezus, Life of Pablo e Watch the Throne. Quer uma dica? Ouça toda a discografia.

Não é só música

Kanye West enxerga a arte de uma forma mais ampla do que os meros mortais. Ex-estudante de arte na American Academy of Art em Chicago, o rapper sabe transmitir mensagens como ninguém, seja pelo campo da moda ou mesmo em seus videoclipes – como indicam as referências de Famous e a ousadia da versão completa de Runaway, até hoje seu melhor registro diante das câmeras.

 O poder da sua influência

Tanta inovação não poderia tão recompensadora. Entre os novos nomes do rap, desde Kendrick Lamar a Childish Gambino, não há quem não tenha bebido da fonte criativa de Kanye West. Explorando quase todas as vertentes da música negra, o rapper foi responsável por abrir caminho para novos ícones, consolidando o gênero como o mais criativo e importante da atualidade. Afinal, você consegue imaginar Drake e The Weeknd sem 808s & Heartbreak.?

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários