6 perfis de arte visual que bombam no Instagram – GQ

12

Antes de mais nada, olá!


Gian Luca Ewbank – ou @baldacconi, como preferir! (Foto: Reprodução/Instagram)

Para quem não me conhece meu nome é Gian Luca Ewbank, mais conhecido como Baldacconi (meu outro sobrenome). Sou artista plástico formado em Comunicação Social e fui convidado pela GQ Brasil (uau, que honra!) para falar do que eu mais amo fazer: ARTE.

A arte transforma e espero que, através da minha coluna, vocês possam viajar nessas várias formas de fazer e expressar arte, seja na pintura, nas diferentes técnicas, na música, dança, tattoos… a arte em suas múltiplas vertentes. Quero que vocês possam criar e passear comigo nesse universo tão amplo que nos conecta. Será um grande e delicioso desafio.

Para começar com o pé na porta, fui desafiado a citar 6 artistas que bombam na atualidade e na internet. Isso é um baita desafio, pois de imediato na minha cabeça tenho pelo menos 20 nomes, entre artistas nacionais e internacionais. Sem enrolação, selecionei esses nomes pensando não somente nos números de seguidores ou likes, mas pelos caminhos que tomam nos trabalhos, carreira, projetos, propostas, além do momento artístico de cada um. Vamos lá, preparados para largar o dedo no follow?

Brian Donnelly – “KAWS”

Seguidores: 2,4 milhões

Apesar de ser um artista com mais tempo de estrada, não podia deixar de começar com o KAWS. Além de grande fã, admiro muito sua trajetória e os caminhos que vem tomando. Brian Donnelly tem 45 anos e nasceu em Jersey City, nos EUA. Conhecido profissionalmente como “Kaws”, seu trabalho inclui o uso continuo e repetido de seus personagens e desenhos figurativos, alguns dos quais remontam ao início de sua carreira, nos anos 90. Muitos de seus personagens são suas próprias criações, enquanto outros são versões retrabalhadas de ícones existentes e conhecidos como Os Simpsons, Mickey Mouse, os Smurfs, Snoopy, Michelin Man e Bob Esponja. Suas esculturas variam em tamanho. Hoje ele é um dos principais nomes das Esculturas Gigantes. Seus materiais incluem fibra de vidro, alumínio, madeira e bronze. Exibido em galerias e museus pelo mundo, ele também integra coleções permanentes de instituições públicas, além de ser colecionado avidamente pelo público – e mesmo por nomes como o rapper Pharrell Williams. Ele vive e trabalha no Brooklyn, Nova York, criando esculturas, pinturas acrílicas em tela e serigrafias, além de colaborar comercialmente, não só com brinquedos de edição limitada, mas também em roupas e outros segmentos. Seus personagens são geralmente representados em uma pose tímida e ou impotente, muitas vezes com as mãos sobre os olhos. Em 2019 na Sotheby’s em Hong Kong, uma pintura de KAWS foi vendida por cerca de US$ 14,7 milhões, um novo recorde de leilão para um artista da época.

Marius Sperlich

Seguidores: 452 mil

Artista mais novo da lista, Marius nasceu em 1991 em Berlim, Alemanha. Seu trabalho aborda a nudez e a sexualidade nas fotografias. Marius tem um estilo de fotografias bem característico, fotos em close, trabalhando plasticamente em cima dos arquivos originais. Os detalhes e a combinação de itens do rosto e partes do corpo com outros elementos é marcante. Com cores vibrantes e uma bela estética, Sperlich cria tanto de forma improvisada quanto de um jeito meticuloso. Suas obras são vendidas em prints de altíssima qualidade.  “Por baixo, somos todos apenas corpos. A sociedade moldou nossa percepção da nudez, confundindo-a com a sexualidade. Camadas de significados atribuídos sobrecarregam nossos corpos, distorcendo sua forma original.”

Frank Shepard Fairey – “OBEY”

Seguidores: 1,2 milhão

Frank Shepard Fairey é um desenhista, muralista e artista em geral. Nasceu em 1970, Charleston, EUA. Quando jovem, começou a usar seus desenhos em camisetas e skates. Sua influência chegou forte na comunidade do skate, colando seus stickers em todo o lugar. Foi então que percebeu seu desejo e interesse pela da arte de rua e pelo movimento do Graffiti. Uma das primeiras imagens que ele usou foi a de André, o Gigante, conhecido pelo público como “OBEY”. Um dos artistas de rua mais influentes do nosso tempo, seu trabalho tem sido usado em serigrafia, estêncil, adesivos, ilustrações, colagens, esculturas, pôsteres, pinturas e murais. Ele gosta de trabalhar com as cores preto, branco e vermelho. Seu trabalho é visto em galerias ao redor do mundo e em museus.

Um de meus artistas preferidos, Shepard é um artista completo e especial. Seus trabalhos são compostos de mensagens humanitárias e políticas. Ressalta o poder da mulher e aborda com perfeição temas complexos, gerando o debate entre o público. Em paralelo a isso tudo, continua estampando cenários mundiais, ganhando tanta fama que acabou criando a OBEY GIANT, marca de roupa e acessórios bem bombada mundialmente. Sua obra mais difundida talvez seja o retrato de Barack Obama. O trabalho fez tanto sucesso que passou a representar a campanha do então candidato a presidência dos Estados Unidos em 2008.
 

Raphael Sagarra – “FINOK”

Seguidores: 38,5 mil

Raphael Sagarra, conhecido como FINOK, nasceu em 1985, em Nova York. 
Há muito tempo desenvolve um trabalho forte nas ruas, com seus bombs, grafites e murais predominantemente verdes (sua marca registrada). Morando em São Paulo, FINOK foi e é grande influência para a arte de rua e suas gerações. Ganhou grande destaque por mesclar em seus bombs letras e personagens, uma nova linguagem naquele meio, trazendo alegria e humor em suas peças. Grande parcela do sucesso também é dada por ser um artista “febrão”, daqueles que não passa alguns dias sem riscar nas ruas, são vários picos, cortando a cidade de norte a sul.

Raphael trabalha uma linguagem visual diferente da maioria, bem profunda em suas criações. Aborda temas complexos como religiões, cultura popular e o folclore. Além dos muros, canvas e esculturas, ele também realiza instalações e utiliza materiais como balões, pipas e luzes. Seus trabalhos saíram das ruas de SP e hoje estão espalhados pelo mundo. Suas intervenções e mensagens levam nossa cultura a uma posição de destaque.

Vanessa Alice – “MISS VAN”

Seguidores: 92 mil

Conhecida como Miss Van, Vanessa Alice nasceu em 1973, em Toulouse, França. Começou a trabalhar nas ruas no início dos anos 90, pintando mulheres com acrílica e pincel ao invés de tinta spray. Encantadora e reservada, solitária e atrevida, suas musas exibiram todo tipo de rosto e aparência ao longo de seus anos de carreira. Seu trabalho ilustra um mundo cartunista, de sonhos e da sexualidade feminina. Com o passar do tempo, a estilização das mulheres mudou, refletindo a evolução artística e pessoal de Miss Van à medida que ela crescia e amadurecia. Às vezes, suas personagens, chamadas poupées ou bonecas, escondiam suas falhas atrás de uma máscara e frequentemente exibiam sua silhueta felina como uma armadura. A sensualidade e o erotismo de suas pinturas, que cresceram com novas referências étnicas, burlescas ou rococós ao longo dos anos, a levaram a muitos lugares do mundo. É apreciada por centralizar as mulheres e aumentar a representação delas na arte de rua. Desde 2016, ela pinta principalmente com tinta a óleo, o que lhe permite refinar suas origens. Miss Van continua sendo uma das artistas femininas de rua e grafite mais famosas do mundo, reconhecida como uma das principais figuras do cânone da arte de rua do início do século 21.

Suas pinturas são impressionantes, principalmente quando vistas ao vivo. Conheci Miss Van quando comprava revistas de graffiti no início dos anos 2000. Cheia de marra, com o charme, força e ao mesmo tempo a delicadeza da mulher moderna, Miss Van é única, desde sua paleta até suas marcas de pincel nos muros… é um convite a dançar, respirar suas pinturas, viajar na riqueza de detalhes e toda poesia que existe contrastando com o espaço público… Miss Van é braba!

Jane Brike

Seguidores: 148 mil

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários