A Kalashnikov – sim, a fabricante da AK-47 – anuncia seu primeiro carro elétrico – GQ

10

A Kalashnikov, famosa pelo seu fuzil de assalto AK-47, considerada a arma de fogo mais usada do mundo – e a mais fatal em número de mortes – planeja uma estratégia bem fora da caixinha: desenvolver uma frota elétrica e híbrida de carros, buggies e motos para competir com gigantes do setor. A novidade faz parte do portfólio da empresa para o Fórum Técnico Militar Internacional em Kubinka, Rússia.

O carro-chefe (literalmente) é o CV-1, apresentado esta sexta-feira (24) pela empresa. É este modelo com ares retrô que é a arma secreta da Kalashnikov contra a Tesla e seus modelos elétricos. O carrinho com ares de banheira é baseado em um outro modelo russo, o IZH-21252 Kombi produzido entre 1973 e 1997 na Rússia. O CV-1 será plataforma de testes para sua tecnologia elétrica nos próximos anos. E não se iluda com o visual mais ou menos: ele é um protótipo, e, se a experiência der certo, a empresa planeja criar chassis mais esportivos e interessantes.

O Kalashnikov CV-1 (Foto: Divulgação)

Tiro certeiro? Difícil dizer, mas vamos aos números: o carro tem uma bateria modular capaz de 60 kilowatts por hora com autonomia de até 350 km e é capaz de fazer de 0 a 100 km/h em 6 segundos. Os números não fazem o carro despontar entre seus colegas mais comerciais: o Model 3 da Tesla roda até 500 km e acelera de 0 a 100 em 5,1 segundos. Já o Jaguar I-Pace, manda 0 a 100km/h em 4,8 segundos, embora chegue próximo da autonomia do CV-1.

+ Na crista da onda: Tesla lança prancha de surf de quase 6 mil reais
+ Carros elétricos são um caminho sem volta, mas qual escolher?

Ter uma empresa de fuzis em seus calcanhares é mais um episódio para a Tesla, mas não necessariamente o mais assustador: vide os problemas que a empresa se meteu com acionistas e o governo americano devido a um punhado de tweets, ou sua luta constante contra um enorme gargalo logístico.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários