A pop art no cair da cortina de ferro é tema de exposição imperdível em SP – GQ

12

Nascida em Odessa, Ucrânia, poucos anos antes da queda do Muro de Berlim e da dissolução da União Soviética, a artista plástica Pazza Pennello oferece um olhar muito particular do que é ter vivido o choque entre dois mundos – o comunismo soviético e o ocidente capitalista. Sua obra chega pela primeira vez ao Brasil na forma da exposição ‘A Revolução Bipolar’, uma coleção de 16 quadros e um vídeo que é destaque da Galeria Houssein Jarouche para janeiro. Com curadoria de Paulo Azeco, a exibição será aberta no próximo dia 22 e fica em cartaz até o dia 30 de março.

A pop art de Pazza ultrapassa o assunto do avanço capitalista na região. Além de obras inspiradas nas marcas que primeiro chegaram até as ex-repúblicas soviéticas (como é o caso de Good Life N:1, abaixo), a artista aborda a questão do feminino e da censura, principalmente através da série Super Beam. Super TV Show, acima, é um exemplo bem interessante da temática.

Pazza Pennello (Foto: Pazza Pennello)

Feminismo é assunto também para o vídeo My Corner, que também integra a exposição. Nele, uma jovem conta sobre a vida de prostituição enquanto na tela aparece uma rua vazia. Durante dois minutos e cinquenta segundos a confissão da personagem leva o visitante a refletir sobre a condição da mulher nos dias de hoje, em qualquer lugar do mundo.

+ Copa do Mundo e a arte de entreter uma nação
+ Um tour pela maior galeria de arte pré-revolucionária de Moscou
+ Histórias dos uniformes: a CCCP (ou União Soviética) em ação

SERVIÇO:

A Revolução Bipolar – Pazza Pennello
Abertura: 22 de janeiro, terça-feira, das 19 às 22 horas.
Entrada Gratuita
Local: R. Estados Unidos, 2109 – Jardim America, São Paulo.
Horário de funcionamento: de terça à sexta -feira das 10h às 19h e aos sábados das 10h às 17h. Até 30 de março de 2019.
Mais informações no site da galeria

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários