Alerta de tendência: como o Instagram criou o movimento ‘look de sofá’ – CLAUDIA

9

Cada vez com menos pudores, compartilhamos diversas situações da vida privada; e isso tem influenciado a maneira como nos vestimos

Por Da Redação

7 nov 2018, 16h21 – Publicado em 7 nov 2018, 16h17

Sabe aquela roupa mais surrada que você usa para ficar em casa? Segundo os fashionistas internacionais, ela é o hit da vez. O site especializado em moda Man Repeller chamou a tendência de “sleepleisure”, junção das palavras em inglês “dormir” e “lazer”.

Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, Celenie Seidel, editora de mercado da verejista Farfetch, disse que o comportamento “é um reflexo de uma grande mudança para o conforto”.

O movimento não é exatamente novo. Nos últimos anos, roupas de academia, moletons, pijamas e hoobies vestiram personalidades como Rihanna e Kendall Jenner e caíram nas graças de quem gosta de moda. A preocupação com a composição das peças, no entanto, sempre esteve em voga. A principal diferença é que, agora, as roupas antes relegadas a passar a tarde no sofá podem servir também para você ir à balada.  

E o Instagram tem influência determinante nesse processo. Considerando que quase tudo o que fazemos hoje em dia é compartilhável na rede social, os pudores de sair de casa usando o que vestimos na esfera privada estão diminuindo.

Pense: qual o problema de usar uma camiseta larga e velha se você posta fotos logo depois de acordar, faz selfie com toalha na cabeça e publica no stories o macarrão que vai jantar? Ou seja,  nosso comportamento particular tem se tornado cada vez mais público. A isso se somam as clássicas selfies de banheiros, a cultura de maratonar séries no Netflix e, lá fora, hashtags como #iwokeuplikethis (#euacordeiassim em tradução livre).

Bolsa geométrica: conheça o acessório que conquistou as redes sociais

+ Chunky sneakers: o calçado do momento

Siga CLAUDIA no Instagram

Fonte oficial: CLAUDIA

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários