Amiga de Marielle Franco compôs música em sua homenagem: “Uma companheira de luta” – GQ

13

Amiga de Marielle Franco, Doralyce é uma cantora, compositora e ativista pernambucana radicada hoje no Rio de Janeiro, cujas músicas já foram interpretadas por nomes como Gaby Amarantos e Preta Rara.

+Duda Beat transforma coração partido em música (e te leva para a pista de dança)
+’Meu match musical seria com Djavan’, diz Xênia França
+Ofertas Amazon: Livros – lançamentos e promoções imperdíveis

Em memória à amiga, Doralyce compôs Me Perguntaram Por quê, que será lançada em um EP em abril. Nesta terça-feira, quando foram presos dois suspeitos pelo assassinato de Marielle e do motorista Anderson Gomes, Doralyce fez o seguinte depoimento: “Hoje saiu o nome dos dois assassinos de Marielle e a gente quer saber quem mandou matar. A última vez que eu conversei com Mari foi no dia do seu assassinato, ela era uma pessoa presente na minha vida, era amiga de luta. A gente marchou no dia 8 de março juntas. É muito difícil chegar hoje e pensar que no dia 14 [de março, quando a morte da vereadora completa um ano] eu vou para a rua pedir justiça pelo assassinato de uma mulher que morreu defendendo os direitos humanos, por ser honesta, por lutar por uma sociedade melhor. Eu perdi uma amiga, uma companheira de luta, uma irmã no combate ao racismo, à LGBTFOBIA. Sinto saudade dela”, desabafa Doralyce.

Um trecho da música pode ser ouvido no vídeo acima, quando Doralyce a apresentou em novembro de 2018 fazendo uma espécie de junção entre a música O Bicho, também de sua autoriae a música feita para Marielle. O show aconteceu no Sofar Sounds Rio de Janeiro, uma plataforma mundial na qual os inscritos vão a shows intimistas em lugares inusitados.

“Essa música está no repertório do EP para que a gente não se esqueça dos nossos heróis e nossas heroínas. Marielle é mais do que uma pessoa, ela é as ideias que ela tinha, ela é tudo o que construiu, é uma fonte de inspiração para as mulheres pretas. Todas as mulheres pretas olham para ela como olham para Luísa Mahin, para Anastácia, para Dandara. Como uma heroína, como um símbolo de resistência, como uma mulher que lutou contra o racismo. Ela precisa ser lembrada”, completa Doralyce.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários