Após perder filha, pai cria robô que pode salvar até 10 mil brasileiros por ano – GQ

4

Foi uma saga de 18 dias. Em 2010, a bebê Laura nasceu prematura e foi internada na UTI Neonatal de um hospital em Curitiba. Foi quando a sepse, mais conhecida como infecção hospitalar, mudou para sempre o rumo da vida de Laura, de seu pai e, futuramente, de muitas pessoas. A doença fez a bebê partir com apenas 18 dias de vida e deixou seu pai, Jacson Fressatto, com a revolta, a angústia e a impotência características do luto.

Mas a história felizmente não acaba aí. Para Fressatto, a dor se transformou em um novo propósito de vida: evitar que outras pessoas morressem da mesma forma que Laura. “Minha missão hoje é evitar que outros pais passem pela dor que eu passei e sei que a inteligência artificial pode ser nossa aliada para isso”, explica.

+ Homens sofrem de depressão pós-parto, diz estudo
+ Congresso americano destina US$ 95 milhões para saber como tecnologia afeta nosso filhos

Em homenagem à filha, o arquiteto de sistemas curitibano criou o primeiro robô cognitivo gerenciador de risco do mundo, batizado com o nome de LAURA. Hoje, dois anos após sua criação, o robô salva uma vida por dia e atualmente opera em cinco hospitais.

Como funciona

O software da LAURA lê informações dos pacientes e emite alertas enviados a cada 3,8 segundos à equipe médica. O objetivo é denunciar aqueles com riscos de infecção generalizada e gerenciar o quadro dos que já apresentam casos de deterioração.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), as infecções hospitalares atingem cerca de 14% dos pacientes internados e são responsáveis por mais de 100 mil mortes no Brasil todos os anos. As estatísticas do robô indicam queda de 9% nos casos de infecção nos hospitais que usam o recurso. Nessa conta, a tecnologia pode salvar até 10 mil brasileiros por ano.

“Já sabemos que o robô funciona e é eficiente, com potencial gigante para ser implantado em outras regiões do país”, salienta Jacsson, que enquanto cuidava do desenvolvimento de Laura, teve outros dois filhos: Léo e Maya.

Hoje, o arquiteto de sistemas é convidado para dar palestras em todo o Brasil sobre a tecnologia que criou e sua história de superação. Em maio deste ano, participou do TEDx Talks em São Paulo, falando sobre como manteve sua filha viva para sempre salvando milhares de vidas.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários