As novidades do design que você precisa conhecer – GQ

30

Provando ser um dos eventos mais importantes do circuito do design mundial, a 15ª edição do London Design Festival (LDF) une grandes e novos nomes em torno de um denominador comum: a inovação. Entre diferentes formas, materiais e estilos, o destaque do evento, encerrado ao fim de setembro, ficou com a postura sustentável de marcas como a Layer, de Benjamin Hubert, que criou a linha AXYL, formada por cadeiras e bancos com contornos minimalistas, cuja estrutura em alumínio reciclado consome apenas 5% da energia necessária para se produzir alumínio novo.

Ou ainda a poltrona Roxanne, de Michael Young para a Gufram, na qual um software é o responsável por criar a ergonomia da peça que mistura diversas influências dos anos 1970, como o próprio nome, em homenagem ao hit da banda The Police. E, como todos os anos, não poderiam ficar de fora dois dos ingleses mais celebrados da atualidade: Tom Dixon e Lee Broom. O primeiro dá uma pausa aos acabamentos metalizados e explora na coleção Bump o vidro soprado em borosilicato colorido. Já o segundo celebra seus dez anos de marca reeditando “novos clássicos” em uma exclusiva série all black.

Design (Foto: Divulgação)

O Brasil também marcou presença nessa última edição do LDF. A badalada loja Mint reuniu uma seleção de designers contemporâneos em evidência. Destaque para o banco Montecristo, de Ronald Sasson. Em formato tubular e em aço revestido em madeira com um detalhe em latão formando um anel, a peça homenageia o famoso charuto cubano. Gustavo Martini, Leo Di Caprio, Sérgio Matos e Ricardo Graham também estiveram entre os participantes do festival de design.

Gosta de design? Então o Casa Vogue Experience é seu destino. Confira aqui o que você pode encontrar no evento – além, claro, do workshop sobre drinks engarrafados.

Fonte Oficial: http://gq.globo.com/Prazeres/Design/noticia/2017/10/novidades-do-design-que-voce-precisa-conhecer.html.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários