‘As pessoas precisam acreditar que elas podem evoluir na vida’, diz Douglas Silva – GQ

3

Entre os atores que Cidade de Deus revelou ao mundo em 2002 está Douglas Silva, que viveu no filme de Fernando Meirelles o personagem Dadinho. O passo seguinte foi dar vida a Acerola na série Cidade dos Homens, da Rede Globo, que transformou de vez a vida desse carioca nascido em 1989.

Criado pela mãe Clarinha Silva, nunca conheceu o pai, mas essa lacuna na própria história não tirou dele uma de suas mais importantes revelações: a arte de ser um. “Minha filha, a Maria Flor, vai fazer 7 anos em dezembro e a minha experiência como pai está sendo maravilhos” diz. Eu amo ter um momento sozinho com a minha pequena. Quando isso acontece é só bagunça. A Carolina, minha esposa, às vezes fica irritada com as nossas bagunças”, brinca o ator, emendando que “a paternidade me tornou muito mais maduro”.

+ ‘Deixo ele à vontade para descobrir como ser pai’, diz o jovem avô Caco Ciocler sobre conselhos ao filho
+ Felipe Titto dá 4 dicas para lidar com filhos adolescentes
+ Tom Hardy teve um parceiro e tanto para encenar Venom no cinema: seu próprio filho

Com a mãe, Douglas diz ter aprendido a ter empatia, respeito e cuidado. “Tento passar para a Maria Flor os ensinamentos que aprendi. Ela é uma criança muito esperta para a idade, então entende tudo muito rápido”, conta Douglas, que se diz muito parecido com a mãe. “Ela me criou sozinho com mais quatro irmãos e enfrentou todas as dificuldades para cuidar da família em uma comunidade carioca. Tenho uma relação super saudável e tranquila com ela, somos muito parecidos. Temos o mesmo gênio, mas nos damos muito bem (risos)”.

Sobre questões urgentes do Brasil, como o ódio e o preconceito, Douglas diz que o tratamento é o amor. “É a coisa certa a se fazer. O mundo já está tão amargurado que se a gente responder ódio com ódio vamos acabar nos matando. É responsabilidade dos artistas passar esse amor adiante, conquistar nosso espaço e trabalhar com dedicação para sermos referência para muitos. As pessoas precisam acreditar que elas podem evoluir na vida”, continua o carioca, que diz resistir através de amor, esperança e fé.

A educação da mãe trouxe também a ideia de igualdade entre os gêneros. “Quando eu não filmando ou gravando, viro o dono da casa. Dou banho na Maria pra ir para escola, dou almoço, levo na escola, vou para academia, depois a busco na escola e levo para fazer a atividade do dia. Agora, quando estou trabalhando, não consigo dar essa atenção toda para ela e daí a gente se fala pelo telefone sempre que dá um tempo”, explica.

Douglas Silva com a filha Maria Flor (Foto: Divulgação)

E por falar em trabalho, Douglas segue firme na série Samantha, da Netflix, que trata com muito humor da história de uma personagem que, quando criança, foi a mais amada do Brasil, mas na vida caiu no esquecimento e tem muitas contas para pagar. Emanuelle Araújo vive Samantha e Douglas, seu marido Dodói, um antigo astro de futebol que volta para casa depois de uma década na cadeia. Eles têm um casal de filhos, Cindy e Brandon, vividos por Sabrina Nonato e Cauã Gonçalves. “É um trabalho que amo fazer e que foi um desafio, uma experiência única. É meu primeiro envolvimento com uma série lançada de streaming e que tem humor, diferente dos gêneros que estou acostumado a fazer. Sem contar o elenco magnífico”, elogia.

Realmente, trata-se de um papel completamente diferente de seus trabalhos anteriores. “O Acerola marcou a minha vida. As pessoas na rua adoram me chamar de Acerola. É um personagem que vou levar para a vida toda. Esse personagem de Cidade dos Homens me rendeu a primeira indicação de um ator brasileiro na categoria melhor ator ao Emmy Internacional”, lembra.

E para terminar, quais as dicas para os pais de primeira viagem? “Seja exemplo para os seus filhos, pois somos os espelhos deles. Converse com eles. Crianças precisam de atenção, esse é o nosso maior presente.”

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários