Avião espacial hipersônico promete revolucionar as viagens aéreas no mundo – GQ

9

Projeto no Reino Unido promete encurtar viagens de Londres a Sydney (Foto: reprodução)

As viagens de avião no futuro deve ser muito, mas muito mais rápidas. Na Europa, por exemplo, um “avião espacial hipersônico” em desenvolvimento no Reino Unido promete encurtar em 80% o tempo gasto atualmente entre Londres e Sydney, na Austrália, até 2030.

+ O que o assento escolhido no avião diz sobre a sua personalidade
+ Conheça o “Air Drake”: o avião de R$ 400 milhões do rapper canadense
+ Maior aeronave do mundo terá quartos luxuosos e pisos de vidro – e não será um avião

Atualmente, a viagem leva entre 22 e 23 horas, em viagens com uma só escala. “Com o motor de foguete SABRE, poderemos chegar à Austrália em menos de quatro horas”, disse Graham Turnock, chefe da Agência Espacial do Reino Unido, à CNN.

Para realizar a façanha, os britânicos estão trabalhando com o Agência Espacial Australiana um acordo apelidado de “primeira ponte espacial do mundo”. De acordo com Graham, os trabalhos na área de tecnologia do motor estão bem adiantados.


Motor Sabre pode chegar a 3,3 vezes a velocidade do som (Foto: reprodução)

Desenvolvido pela empresa Reaction Engines, com sede em Oxford, o motor Sabre (uma abreviação para Synergetic Air-Breathing Rocket Engine) é um tipo de propulsor híbrido que pode chegar a 3,3 vezes a velocidade do som.

A título de comparação, o Concorde, avião de passageiros mais rápido já criado até hoje e retirado do mercado após acidente com a Air France que matou 113 pessoas, em 2000, voava a no máximo 2,04 vezes a velocidade do som.

A tecnologia já foi testada em solo, com resultados positivos. A expectativa no setor de aviação é tamanha que gigantes do setor de aviação, como BAE Systems e Rolls-Royce, têm feito investimentos para ajudar a Reaction Engine na missão hipersônica.

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários