Banda de rock brasileira lança disco com capa inspirada em Pablo Picasso – GQ

6

A Trampa, banda de rock de Brasília formada em 2006 e que conta com André Noblat (vocal), Pedrinho “Bap” Cardoso (baixo), Rafael Maranhão (guitarra), Arnoldo Ravizzini (bateria) e Rodrigo Vegetal (guitarra), lança o disco Trampa – A Sinfonia nesta sexta-feira.

+10 mulheres da nova música autoral brasileira

+ ABBA lança novas músicas 35 anos depois de separação

O vocalista do grupo fala sobre o álbum acústicos e com participação de orquestra sinfônica, feito em homenagem ao maestro Silvio Barbato, falecido em 2009: “A orquestra sempre soma, te mostra novos horizontes, torna a melodia mais pesada, e já as canções mais leves, ficam ainda mais belas”.

+ 5 motivos para acreditar que Kanye West é um deus da música

+Ouça a primeira música do designer Virgil Abloh, a sensação da moda

+ Guitarra feita de agave une tequila e rock n’ roll

Desta vez, o grupo trabalhou com o maestro Joaquim França e teve Diego Marx – vencedor de um Grammy junto à banda Scalene – como produtor. “Quando você traz alguém como o maestro Joaquim França para dentro do processo, fica tudo mais incrível, pois ele consegue imprimir o caminho emocional para a canção”, reconhece Marx.

+ As músicas essenciais da meteórica carreira de Avicii

+ Sufjan Stevens: o gênio recluso da música pode levar o Oscar

O disco, também lançado em vinil, traz ainda capa feita pelo artista Tiago Palma inspirada em Guernica, de Pablo Picasso, que já teve obra vendida por R$ 90 milhões. A criação deste quadro do mestre do cubismo já foi tema, inclusive, da série de TV 33 Days. “A ideia veio da própria banda. O espírito é o mesmo, a crítica a guerra, e as várias conotações históricas. No caso da Trampa, passamos por referências das canções, como é o caso do pássaro segurando um espelho, que simboliza a música ‘Você’”, explica Palma.

Disco Trampa - A Sinfonia, inspirado no quadro Guernica, de Pablo Picasso (Foto: Divulgação)

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários