Brasileiro diretor na Hyperloop explica o que a empresa quer de um candidato – GQ

7

A empresa Hyperloop TT, que desenvolve o meio de transporte em cápsulas homônimo, segue sendo uma das startups mais quentes do Vale do Silício, trazendo talento de lugares como a Tesla, Boeing e o MIT. Rodrigo Sá, no entanto, vem de berço um pouco menos notável: nascido no interior de Minas Gerais, o agora diretor global de desenvolvimento de negócios da Hyperloop deve sua contratação a um encontro incidental com o fundador da empresa. Então empresário, tentando a sorte com ramos diversos, como saúde e alimentação, Rodrigo Sá entrou na companhia no ano passado.

De acordo com ele, o requisito fundamental para conseguir trabalhar na Hyperloop é ter visão. “Precisa querer mudar o mundo”, diz o diretor à GQ. Ter este foco é chave para lidar com uma empresa ainda em constante mudança: “somos basicamente uma startup ainda, não é uma empresa que está consolidada, isso em várias áreas, precisa melhorar e vai melhorar muito, então é preciso um perfil que entenda essa montanha russa”, complementa.

Trabalhar em uma startup, por maior que seja, envolve também preencher lacunas. Sá explica que seu perfil também foi fundamental na contratação. “Meu grande forte é analisar oportunidades e criar um planejamento para atacar isso, é mercado estratégico”, diz.

Hoje a Hyperloop opera em mais de 40 países, e boa parte dessa estrutura é mais flexibilizada: funcionários podem trabalhar por troca de ações baseado na hora de trabalho, e não só por um salário mensal. E lá a maioria opera assim: algo em torno de 80 pessoas trabalham em tempo integral, gerenciando um grupo de mais de 300 colaboradores com a ajuda de uma inteligência artificial. Segundo Sá, esta dinâmica ajuda a empresa a ser ágil e gastar menos.

Fonte Oficial: GQ.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários