Bruno Gagliasso para Wagner Moura: “Atuar é estar vivo” – GQ

13

“Foi minha universidade da vida”. Em conversa com o colega de profissão Wagner Moura, Bruno Gagliasso não esconde sua paixão e entrega ao ofício de ator, que vê como sua vocação. E Bruno, que está para voltar aos cinemas com o longa Marighella – dirigido por Moura –, não é avesso a se reinventar: “É primordial que meus papéis tenham a possibilidade de me transformar de alguma maneira”, confessa.

O ator também fala sobre a importância de um retiro, da companhia da família – sua esposa, Giovanna Ewbank e a filha, Chissomo Ewbank Gagliasso – e de como divide sua rotina online e offline. “Misturo tudo. Sou feliz assim.”

Wagner Moura: Bruninho, o que é atuar para você? Por que você é ator? Acha que vai continuar atuando até o fim da vida?
Bruno Gagliasso: Irmão, atuar foi minha universidade da vida. Aprendi tudo na minha profissão. Sou quem sou por conta de cada personagem que vivi, cada parceiro com quem atuei, cada equipe com quem trabalhei. Esse último ano em que pude voltar a fazer cinema, em que trabalhei com você [no filme Marighella] e com tanta gente legal, foi meu reencontro com a vocação e minha certeza de continuar fazendo isso por muito tempo. Atuar é estar vivo.

Wagner Moura: Todo trabalho sempre faz sentido para você? Você é um cara que tem negócios. Eles também te dão sentido?
Bruno Gagliasso: No momento em que me meto em um trabalho, pode ter certeza que ele faz todo sentido para mim. Mas isso não quer dizer que eu esteja sempre certo, ou que eu não vá mudar de ideia depois, ou que deixe de fazer sentido. E em relação à minha profissão de ator, sem dúvida é primordial que meus papéis tenham a possibilidade de me transformar de alguma maneira.

Bruno Gagliasso  (Foto: Alessio Boni)

Wagner Moura: Quanto tempo do seu dia é dedicado à vida virtual?
Bruno Gagliasso: A internet surgiu em minha vida de uma forma muito natural. Não sei separar minha vida online da offline. Vivo minha vida e compartilho. Sempre foi assim desde antes do Twitter. Depois, já mais conhecido, com toda semana uma revista ou site contando alguma história sobre mim na perspectiva deles, percebi também que já que isso é de, alguma forma, inevitável, talvez melhor que eu mesmo seja a fonte. Tenho algum controle, não fico nas mãos de sites de celebridades e nem de paparazzi. As melhores fotos serão minhas e qualquer novidade vai sair da minha boca. Conectado eu sigo, com todas as dores e delícias desse mundo online. Por enquanto, para mim, o saldo tem sido positivo.

+Bruno Gagliasso comenta tweets homofóbicos: ‘estou pronto para entender por que falei isso’
+ “Não quero que meus filhos cresçam em um país conservador”, afirma Bruno Gagliasso

Wagner Moura: Você já conseguiu equilibrar o trabalho com o tempo para estar com a família e sozinho sem fazer nada?
Bruno Gagliasso: É uma luta diária. Acho que esse problema não é um privilégio meu – quem precisa trabalhar passa por isso. Noronha ainda é um refúgio, e minha casa também é um espaço em que consigo ficar à vontade equilibrando tudo isso. Nunca separei muito trabalho de vida pessoal e de profissional, online de offline. Misturo tudo. Sou feliz assim. 

Hair: Alessandro Rebecchi
Make-up: Giuly Valent
Produção de moda: Mari di Pilla (Milão); Vini Coni e Rogério Martinez (SP)
Produção executiva: Sara Barbara
Assistentes de produção: Egidio Sterpa e Stefano Marusic
Assistentes de fotografia: Luca Truchet e Michael Rudd
Agradecimentos: Catrina Kowarick, Francisco Tellechea, Kevin, Tekinel, Laurent Goldblum, Lucas Wild, Rob, Pacheco, Rodrigo Crespo, Olga Ushakova
Agradecimento especial: -D’ARIA

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários