Cada vez mais ativista, Aline Weber conta como vai conciliar a vida de modelo com as causas sociais – Notas – Glamurama

7

Aline Weber dá sua voz às causas || Créditos: Divulgação

Aline Weber está entre as grandes modelos de sua geração. Conhecida pelos closes em campanhas para as grifes mais bombadas do mundo, neste momento a catarinense tem se dedicado e muito ao ativismo social e ecológico e deseja usar sua influência, conquistada ao longo de 15 anos de carreira, para levantar questões importantes sobre a relação com o meio ambiente e proteção aos animais. Inclusive, Weber já deu entrada em uma petição em Nova York pela preservação da Floresta Amazônica. Também já esteve no Kuarup, o principal festejo dos índios do Xingu, onde ficou dez dias dormindo na tribo para conhecer a relação deles com a natureza e reforçar cada vez mais sua luta pela causa dos animais. Em entrevista ao Glamurama, ela entrega um pouco mais sobre esta empreitada.

Glamurama – Você começou a carreira de modelo aos 14 anos e foi para o mundo. Desde sempre esteve ligada com os animais e o meio ambiente?

Aline – “Desde criança fui muito ligada aos animais. Tinha gato, cachorro e sempre que ia para o interior visitar minha avó, adorava brincar na natureza e com os animais que tinham por lá.”

Glamurama – Quando percebeu que precisaria se manifestar sobre as questões que envolvem o meio ambiente e a proteção aos animais?

Aline – “Foi quando comecei a viajar pelo mundo que percebi a importância da preservação, da proteção aos animais de rua, e como tudo é interligado. Cada coisa que fazemos terá um impacto maior lá na frente.”

Glamurama – Conte um pouco sobre a petição que deu entrada em Nova York pela preservação da Floresta Amazônica.

Aline – “Iniciei um protesto pela proteção da floresta Amazônica junto com duas amigas. Lá ficamos o dia todo recolhendo assinaturas das pessoas que passavam pela Union Square. Começamos com poucos participantes no protesto e no final do dia já estávamos com muita gente. Foram três mil assinaturas, além da repercussão que teve nas redes sociais. Isso aconteceu durante a Semana de Moda de NY, época de intensa circulação de pessoas pela cidade (mais do que o normal). Aproveitamos o momento para protestar contra o decreto do governo que liberava uma grande área da Amazônia para exploração mineral.”

Glamurama – Qual a melhor forma de incentivar mais pessoas às causas?

Aline – “A melhor forma é explicar, dividir informações. Por exemplo, as atitudes do dia a dia tem um impacto muito grande no meio ambiente e no mundo, como o uso de plástico, que demora uma média de 450 anos para se decompor. Já existem pesquisas que falam que se continuarmos a usar tanto plástico (canudos, sacolas de supermercados, garrafas) em 2050 teremos mais plástico nos oceanos do que peixes. Um levantamento da ONU mostra que 80% de todo o lixo marinho já é composto por plástico. Com pequenas mudanças podemos reverter a situação.”

Glamurama – Para uma pessoa leiga nos assuntos, qual a melhor forma de começar?

Aline – “Em casa. Mudar alguns hábitos no dia a dia e dividir informações com pessoas próximas como amigos e família.”

Glamurama – Como foi sua experiência ao participar do Kuarup. O que você levou de mais valioso e como aplica na sua vida?

Aline – “Passei 10 dias com eles, comendo a mesma coisa que eles (exceto carne, pois sou vegetariana), dormindo em redes e interagindo com a comunidade. Foi uma experiência muito rica e o que eu levo deles e reforço ainda mais nos meus posicionamentos é o respeito com a natureza, como a tratam de forma nobre, só tirando dali o que precisam.”

Glamurama – Você continua com sua carreira de modelo?

Aline – “Continuo com minha carreira de modelo transitando na maior parte do tempo entre Nova York [onde mora há mais de 10 anos] e Brasil. Na moda quero estar cada dia mais aliada a trabalhos que dialoguem com a forma que penso e ajo: consumo consciente, produção inteligente que respeite o meio ambiente… Acredito que a moda esteja levantando pautas importantes que refletem aquilo que a sociedade vive. Sabemos que se não nos atentarmos agora ao modo como tratamos a natureza, as consequências serão preocupantes.”

Glamurama – Quais os planos para 2019?

Aline –  “Meu plano para 2019 é continuar no trabalho que amo e cada vez mais tentar coincidir a moda com o que acredito. Também quero melhorar como ser humano, no sentido de me conectar mais espiritualmente fazendo yoga e meditação. Quero ajudar no que for possível em relação ao planeta e meio ambiente, dividir e compartilhar conhecimento em busca da proteção ambiental e animal. E, por último, pretendo viajar bastante. Estou planejando minha próxima viagem para Índia ou Tailândia. A cultura deles é muito rica e eu adoraria fazer um retiro de Yoga e meditação nesses países.”

Fonte oficial: Glamurama

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários