Carros de luxo: 5 modelos pensados para quem anda só no banco de trás – GQ

16

Ter um superesportivo da Ferrari ou da Lamborghini na garagem pode representar o ápice do sucesso pessoal. Mas esses modelos são apenas carros de diversão. Para o dia a dia, a escolha (invariavelmente) é por sedãs do tipo limusine, com entre-eixos alongado e todo conforto possível no banco traseiro. É ali que os felizes proprietários irão se sentar ao longo de suas jornadas. O volante fica com o motorista particular, que, claro, também desfruta de todo luxo possível a bordo.

Esta é a categoria que as montadoras chamam de flagship. São os automóveis mais caros do cardápio, e os que reúnem os recursos mais sofisticados de segurança e entretenimento, além do extremo requinte (que inclui inúmeros mimos). Há mesinhas retráteis, programas de massagem, ar-condicionado multizona, telas independentes com controles remotos e fones sem fio, persianas, bancos com ajustes elétricos e climatizados – e assentos que viram poltronas com apoios para as pernas (como visto na primeira classe dos aviões). Confira cinco modelos que tratam (muitíssimo) bem os passageiros que se sentam atrás.

+ Seis preparadoras que fazem carros de luxo com alto desempenho
+ Esta SUV quer resolver um grande problema do carro autônomo: o tédio

Lexus LS500h

O Lexus LS500H (Foto: Divulgação)

O modelo mais caro da marca de luxo da Toyota chegou à quinta geração em 2017, mas as primeiras unidades só desembarcam no Brasil no fim deste ano. Dos três sedãs listados, é o único híbrido — daí o “h” no nome. Para quem ocupa o banco traseiro, é uma informação talvez pouco relevante, exceto se o “carona” for engajado em causas ambientais. A promessa é de desempenho de motor V8, como os usados por Classe S e Série 7, mas com consumo de combustível bem menor. Seu preço é mais “acessível” que o pedido nos rivais alemães, porém sem decréscimo no luxo. Os passageiros de trás podem reclinar os assentos em 48 graus por meio dos visores sensíveis ao toque que ficam entre os bancos. O ar-condicionado é de quatro zonas, há telas independentes com farta conectividade, programas de massagens e até um controle ativo que neutraliza ruídos externos.

Carros (Foto: Divulgação)

Rolls-Royce Cullinan

O Rolls-Royce Cullinan (Foto: Divulgação)

O sucesso dos utilitários esportivos fez com que as montadoras premium lançassem muitos SUVs nos últimos anos. Mas essa onda ainda não tinha atingido a seara das marcas de extremo luxo. Até que a Rolls-Royce revelou, em maio passado, o Cullinan, seu primeiro utilitário. O modelo desembarca este ano no Brasil custando mais de R$ 3 milhões. Mas essa estimativa de preço é compatível com o requinte da cabine. A versão com bancos traseiros individuais reúne ajustes elétricos, massagem, aquecimento e ventilação, além de geladeira e compartimento para garrafas e taças. O SUV tem portas traseiras do tipo suicidas (que se abrem opostas às dianteiras) e a suspensão a ar rebaixa automaticamente para facilitar a entrada e saída dos passageiros. Até o nome escolhido tem origem nobre: Cullinan é o maior diamante já encontrado, descoberto em 26 de janeiro de 1905 na mina Premier, na África do Sul. O batismo é uma homenagem a Thomas Cullinan, o dono da mina.

BMW Série 750i L Pure Excellence

Carros (Foto: Divulgação)

Arquirrival do Classe S, o sedã da BMW também é o modelo mais sofisticado e luxuoso da marca bávara na atualidade. A versão vendida no Brasil tem o entre-eixos alongado, que é o maior dentre os sedãs que selecionamos — são 3,21 metros, quase o comprimento de um subcompacto de entrada, como o Fiat Mobi. Em fevereiro passado, a BMW trouxe a versão Pure Excellence, que traduz na cabine o que promete no nome. Há peças de madeira tratada que acompanham os detalhes em couro e metal no painel e nas portas. Quem vai atrás conta com mesinhas retráteis, bancos elétricos e climatizados, massageadores, sistema de entretenimento e até um minifrigobar de 15 litros. As principais funções são operadas por um tablet. O modelo também inova com uma central multimídia operada por gestos, mas quem usufrui dela é o motorista.

Bentley Bentayga

O Bentley Bentayga (Foto: Divulgação)

No fim de 2015, a marca britânica anunciou a chegada do Bentayga, seu primeiro SUV. O modelo estreou como o SUV mais rápido do planeta, cravando estúpidos 4,1 segundos na aceleração de zero a 100 km/h. Bom para o motorista, que dispõe de 608 cv e quase 92 kgfm de torque. Mas o requinte não ficou de lado. A cabine do Bentayga é quase toda feita de forma artesanal – e pode ser inteira personalizada. A versão de quatro lugares tem assentos traseiros com 18 posições de ajuste, massagem, aquecimento, ventilação e apoio para os pés. O acabamento combina madeira, peças de metal e 15 cores de couro obtidos a partir de touros criados em “climas frios europeus”, segundo a própria montadora. Os passageiros ainda dispõem de um tablet removível com tela 10,2 polegadas e sistema operacional Android, com acesso a rede de telefonia móvel, WiFi e Bluetooth.

Carros (Foto: Divulgação)

Mercedes-Benz Classe S 560 L

Carros (Foto: Divulgação)

O Classe S é o sedã que melhor simboliza o status que a marca alemã historicamente ostenta. Desde o fim de 2017, a montadora passou a trazer para o Brasil a versão S 560 “L”, onde a letra indica o entre-eixos alongado (“Long wheelbase”). Ou seja, com mais espaço entre as rodas, têm-se um espaço interno mais generoso para quem vai atrás. O interior é suntuoso, quase todo revestido em couro nobre, repleto de molduras em madeira e metal, e com múltiplos ajustes nos bancos traseiros. Os assentos contam com um leque variado de programas de massagem, central de entretenimento com telas independentes e controles remotos, porta-copos que aquecem e resfriam bebidas e teto solar. Há persianas nas janelas e os apoios de cabeça parecem travesseiros. Tem ainda recursos avançados de segurança — sistema de visão noturna, frenagem com reconhecimento de pedestres e airbags nos cintos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários