Chris Pratt, de Guardiões da Galáxia, adota dieta restritiva baseada na bíblia – GQ

5

Gente como a gente, o ator americano de “Jurassic World: Reino Ameaçado” e “Guardiões da Galáxia”, exagerou nas festas de fim de ano e decidiu adotar um cardápio rigoroso, que dura 21 dias. Há uma semana, Chris Pratt publicou um vídeo no Instagram, contando aos seguidores que começaria um plano de emergência para ficar em forma, a dieta chamada “Daniel Fasting”. Pratt explicou que é a base da dieta é fé. Baseada na história bíblica do profeta Daniel do Antigo Testamento, que se absteve de vinho, carne ou derivados de animais como laticínios e ovos, cafeína e açúcar e são permitidos apenas alimentos “que crescem a partir de sementes” e água, como afirma também o site oficial. É mesmo preciso ter fé para manter a disciplina e comer apenas vegetais, frutas, oleaginosas, cereais e grãos integrais e gorduras poli-insaturadas (as gorduras “do bem”) podem ser consumidos. Comidas processadas, industrializadas e fritas, claro, estão proibidas. Popular entre os protestantes americanos, o método inclui orações e práticas religiosas durante o período.

Mas dieta Daniel Fasting faz é saudável?

A dieta é muito semelhante à alimentação plant-based e já falamos que o veganismo é uma das tendências de lifestyle que tende a crescer ainda mais em 2019, reiterando que, sim, é possível obter todos micro e macronutrientes que o corpo precisa por meio dos grãos e vegetais. Para a nutricionista Tatyana Dall’Agnol, especialista em Nutrição e Metabolismo pela UNIFESP, de São Paulo, um dos principais benefícios ao adotar esse plano alimentar é restringir o consumo de alimentos que prejudicam o organismo, como o excesso de farinha branca, gorduras saturadas e açúcar refinado. “A proposta de diminuir o consumo de alimentos industrializados é muito positivo para a saúde, de modo geral. No entanto, a adaptação a um cardápio mais restrito deve ser acompanhada por um especialista para evitar a deficiência de proteínas”. Abacate antes ou depois do treino? Encontrar as melhores opções de substituir os alimentos e acertar a quantidade é fundamental para escolher o que comer ao longo do dia e não passar fome.
O pesquisador Richard Bloomer, da University of Memphis’ School of Health Studies, conduziu diversos estudos sobre a dieta. Um dos resultados encontrados é, que ao fim das três semanas, a dieta diminui os fatores de risco de doenças metabólicas e cardíacas, como o controle da pressão arterial e o colesterol.

+ Escala da fome: como o mindful eating pode te ajudar a comer de forma mais saudável

+ 4 atitudes para aprender a pensar – e ser – magro definitivamente

Para quem quer emagrecer, a “dieta de Daniel” (em tradução livre) é uma boa opção, já que corta ingredientes do mal e por conta das fibras e outros nutrientes dos alimentos de origem vegetal, é mais fácil ficar satisfeito sem aquela sensação de peso no estômago. “Como tem baixa densidade calórica e é rica em micronutrientes, minerais e antioxidantes o impacto no organismo será positivo e até melhora a disposição física ”, afirma o especialista em nutrologia esportiva Renato Lobo, médico pela Faculdade de Medicina da USP, de São Paulo, ressaltando que o ganho de massa muscular pode ser mais difícil nesse período devido a necessidade de balancear a ingestão de proteínas de origem vegetal.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários