Como a lesão do jogador mais promissor do basquete pode virar um problemão para a Nike e a NBA – GQ

20

Caso você não acompanhe ou não entenda nada de basquete universitário dos EUA, saiba apenas que ser o melhor jogador da liga que une as grandes universidades do país (e gera uma audiência enorme) praticamente garante que você seja o primeiro escolhido de uma lista (o Draft) para jogar na NBA – o que teoricamente o faz chegar no maior campeonato de basquete do mundo com todos os olhos voltados para você.

Pois bem, esse cara neste ano é a estrela da Duke University, Zion Williamson. E, na noite da última quarta-feira (21), ele sofreu uma lesão no joelho direito em um jogo contra a Universidade da Carolina do Norte (um clássico entre dois times bem bons, o jogo mais esperado do momento). A lesão ocorreu logo aos 36 segundos de partida, quando o ala pivô de 18 anos pareceu perder o equilíbrio e caiu no chão segurando seu joelho.

O motivo: seu tênis esquerdo, um Nike PG 2.5, estourou enquanto Williamson pisava forte no meio de um drible. O jogador deixou a partida imediatamente e, mas ao fim do jogo seu técnico, Mike Krzyzewski, disse que se tratava de um “entorse leve no joelho”, garantindo que ele está estável – mas sem previsão de retorno às quadras.

+ Como o All-Star Game da NBA se tornou um evento sobre sneakers
+ Como a Nike quer revolucionar o basquete com seu tênis que se amarra sozinho

Como você pode imaginar, existem várias implicações potenciais legais e financeiras de uma lesão causada por um tênis rasgado. De cara, as ações da Nike caíram 1,1% no começo da da manhã desta quinta-feira (21).

“Estamos obviamente preocupados e queremos desejar a Zion uma rápida recuperação”, disse a Nike em um comunicado ao Bleacher Report. “A qualidade e o desempenho de nossos produtos são de extrema importância. Embora seja um caso isolado, estamos trabalhando para identificar o problema.”

A lesão de Zion Williamson (Foto: Getty Images)

Mesmo assim, no caso improvável de que a lesão de Williamson seja mais séria do que Krzyzewski sugere, o jogador poderia explorar a possibilidade de processar a Nike. A própra Duke também pode ter potenciais reclamações legais contra a empresa, argumentando que ela estaria violando o contrato de fornecimento de material esportivo se comprovado que o tênis fosse de baixa qualidade e que isso tenha causado danos substanciais à universidade quando lesionou um superstar.

Embora seja improvável que alguma das partes processe a gigante do sportswear, o que pode acontecer é que a NBA e a associação de basquete universtário revejam suas leis sobre proteção a jogadores. Por exemplo: se Williamson tivesse sofrido essa mesma lesão no joelho durante um jogo da NBA, ele teria a garantia da manutenção de seu contrato de trabalho garantido no valor previamente estipulado (alguns muitos milhões de dólares). Em vez disso, como um calouro da universidade, Williamson é um “amador” que Duke só pode compensar com um “subsídio de auxílio” semelhante ao usado para ajudar outros estudantes comuns com taxas e gastos ao longo do curso. Vale lembrar que por causa do “feômeno Zion” os ingressos para Duke x North Carolina bateram a casa dos R$ 12 mil.

A lesão de Zion Williamson (Foto: Getty Images)

O que acontece agora? Bom, não sabemos a gravidade da lesão de Williamson e há grandes chances de que ele se recupere rápida e completamente e o incidente do tênis seja lembrado apenas como um fato bizarro. Caso contrário, no improvável caso da lesão do jogador levar a um litígio com a Nike, a empresa estaria bem inclinada a resolver rapidamente um processo baseado em um defeito de um protudo seu e encerrar essa história o mais rápido possível. 

De qualquer forma, o caso prova como a relação entre a NBA, o basquete universitário e os sneakers que suas estrelas usam é algo que vai muito além do estilo – e que quando um imprevisto acontece, pode custar muito caro a alguém.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários