Como casais homoafetivos podem ser pais biologicamente – GQ

13

Casais homoafetivos têm direito garantido por lei a recorrer a métodos de reprodução assistida – mas eles podem diferir para homens e mulheres (Foto: Getty Images)

Acompanhar os muitos pais contemporâneos e novas famílias que passam pela GQ é o suficiente para perceber que os tempos mudaram. O núcleo pai-mãe-filhos já não é o único possível – segundo o IBGE, 16% das famílias brasileiras são diferentes desse esquema convencioanal – e a ciência tem acompanhado esse movimento. Além de adotar uma criança, casais homoafetivos também podem ser pais biologicamente.

+ 5 médicos brasileiros que revolucionaram a medicina
+ Meninos podem (e devem) brincar de boneca se eles quiserem
+ Em nova série, Fernando Meirelles e o filho Quico apresentam uma São Paulo pós legalização da maconha

“Desde 2013 o Conselho Federal de Medicina respalda o direito inalienável dos casais homoafetivos de recorrerem às técnicas de reprodução assistida para gerar filhos biológicos“, lembra Georges Fassolas, especialista em reprodução assistida da clínica Vivitá.

Mas como o assunto continua um tabu para alguns, pedimos uma ajuda ao especialista para  entender quais são os métodos que permitem a reprodução assistida entre uniões desse tipo. O médico listou as principais técnicas utilizadas para ambos os sexos. Confira:

Casais de mulheres

“Inseminação artificial com sêmen captado em banco de sêmen e fertilização in vitro (FIV) são os métodos direcionados aos casais femininos. No primeiro, o esperma adquirido anonimamente é inserido no útero de uma das parceiras durante o período fértil e a fecundação acontece naturalmente no corpo da receptora. Já na FIV, uma das cônjuges pode ter o óvulo fecundado por um espermatozoide doado e ela mesma continuar a gravidez ou, em uma segunda opção, o óvulo fecundado pode ser colocado no útero da companheira permitindo que as duas participem efetivamente do processo de concepção da criança.”

Casais de homens

“Para os homens a fertilização in vitro é a única opção. Primeiro, o casal deve selecionar uma doadora de óvulos anônima. Em seguida, é preciso que os cônjuges apresentem um parente de até 4° grau (mãe, irmã, avó, tia ou prima) que conceda a eles um útero para a gestação. A última etapa consiste na coleta dos espermatozoides de um dos parceiros para a realização da FIV. O óvulo doado anonimamente é fertilizado em um laboratório com os gametas masculinos coletados. Após o desenvolvimento inicial, os embriões gerados são implantados em um útero de substituição para que a gestação aconteça.”

Acompanha tudo de GQ? Agora você pode ler as edições e matérias exclusivas no Globo Mais,o app com conteúdo para todos os momentos do seu dia. Baixe agora!

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários