Como são formadas as ondas gigantes de Nazaré? – GQ

8

24,38 metros e 20,72 metros. Estas são os swells gigantes que renderam aos brasileiros Rodrigo Coxa e Maya Gabeira, respectivamente, o recorde mundial de maior onda já surfada nas categorias masculina e feminina ano passado. Em comum, ambos os feitos foram registrados em Nazaré, uma vila de pescadores situada na costa de Portugal que hoje é pico para esportistas procurando o desafio máximo da categoria – a região já é conhecida de praticantes da modalidade desde os anos 60 e desde a virada do milênio sedia campeonatos internacionais.

O que gera essas grandes ondas? A resposta está tanto dentro quanto fora d’água: o promontório de Nazaré, que divide as praias sul e norte da vila e onde fica instalado o já famoso farol, é extremamente próximo do que se chama Canhão de Nazaré, uma enorme falha submersa que se aproxima 500 metros da costa.

+ Conheça os cinco destaques do Brazilian Storm
+ Os 5 aéreos mais bonitos de Gabriel Medina
+ Quase no ‘Livro dos Recordes’, Maya Gabeira ainda quebra barreiras no surf

A região entre a falha e o promontório desenha um fenômeno geomorfológico raro, em que a água ‘engolida’ pelo cânion subaquático no decorrer de seus 211km de extensão encontra a parte o oceano próximo a costa da praia do norte, levado por ventos fortes. É a pressão resultante que gera os swells colossais, segundo vídeo divulgado pela Liga Mundial de Surf, que você confere abaixo:

Se sua praia são explicações mais técnicas temperadas com o bom e velho sotaque lusitano, o Instituto Hidrográfico da Marinha de Portugal tem exatamente o que você precisa:

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários