Conheça as diferenças da gonorreia no homem e na mulher – GQ

9

Alguns dias depois daquela transa, vamos supor que você descobre que está com gonorreia. Surgem os primeiros sinais claros: ardência ao urinar e uma insistente secreção amarelada, com cheiro forte, saindo do pênis. Vem a sensação de medo, culpa e até raiva.

O que você faz? Vai contar para a sua parceira? Ou deixa quieto? Seria uma grande sacanagem não contar nada, mesmo que tenha sido apenas sexo casual. Sabe por quê? Muitas vezes, a mulher nem sabe que está infectada. A doença é a mesma, mas os sintomas são diferentes em homens e mulheres.

+ Gonorreia: veja formas de contágio, precauções e tratamentos
+ Quatro problemas relacionados ao pênis (e como identificá-los)
+ ‘Só a educação transforma um povo’, diz autor de ‘Chico e Vinícius para Crianças’

No homem
A gonorreia masculina apresenta sintomas rápidos: entre 24 horas e 10 dias, eles já se manifestam. É uma das infecções sexualmente transmissíveis (IST) que mais crescem no mundo. Transmitida por qualquer contato sexual (vaginal, oral e anal) pela bactéria Neisseria gonorrhoea, a doença está se tornando mais resistente aos antibióticos tradicionais.

Na mulher
Cerca de 60% das mulheres não apresentam nenhum dos sinais que são tão visíveis nos homens. Para começar, a secreção purulenta pode ser confundida com a secreção vaginal normal. A bactéria, no entanto, está agindo no corpo dela. Se ela não contou nada antes da transa, pode ser que simplesmente não sabia.

Agora se você foi o vetor da contaminação é melhor fazer sua parte e conversar sobre a doença. Caso contrário ela corre o risco de transmitir a doença adiante e ainda sofrer um agravamento do próprio quadro.

Sintomas na mulher
Os sintomas da gonorreia incluem coceira na região vaginal, corrimento esbranquiçado, ardência no local e na hora de urinar, além de dor durante as relações sexuais.

Infertilidade em homens e mulheres
Se o tratamento não for realizado no início, a bactéria pode migrar para a bolsa escrotal e, nos quadros mais graves, levar à infertilidade masculina. Com a mulher não é diferente: a bactéria pode atingir os ovários e também deixa-la infértil. Há ainda o risco de ela sofrer uma grave inflamação na pélvis que, nos casos mais sérios, pode levar ao óbito. Se o sistema imunológico estiver debilitado, a gonorreia na mulher evolui da ardência ao urinar para a inflamação pélvica em apenas 15 dias.

Risco na gravidez
Uma das consequências mais graves é que, se ela estiver grávida, corre sério risco de transmitir a doença ao bebê durante o parto.  Os sintomas no recém-nascido são parecidos com a conjuntivite. Após dois a quatro dias, surgem inchaço e dificuldade de abrir os olhos, além de secreção purulenta, que se não for tratada causa cegueira, afeta o cérebro e provoca morte prematura.

+ Tudo o que você sempre quis perguntar ao urologista
+ Garotos inventam preservativo que muda de cor em contato com doenças
+ Sexpert: o que você deve conhecer para ter ainda mais prazer na hora H

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários