Conheça Ocean Ramsey, a mulher que dedica a sua vida para defender os tubarões – GQ

4

Você pode conhecer Ocean Ramsey de seu famoso vídeo nadando com um grande tubarão branco ou de sua palestra no TedX. A bióloga marinha, conservacionista, mergulhadora profissional, instrutora de mergulho profissional, surfista, nadadora, iogue e modelo profissional (ufa!) une seus muitos talentos e habilidades para ajudar as pessoas a ver os tubarões de uma forma positiva e trabalhar ativamente através de suas fotos, filmes e mídias sociais para a proteção desses animais.

+ Etapa da WSL cancelada por causa de tubarões divide opiniões entre surfistas

+ Americano flagra tubarão rondando a namorada com um drone

+ “Sou contra a reciclagem”, diz Amyr Klink em vídeo com David Schurmann sobre poluição nos oceanos

Ocean se apaixonou pelos tubarões ainda menina quando morava no Havaí. Em seu site, ela escreve sobre seu primeiro encontro com um exemplar da espécie: “Eu acho que tinha 8 anos de idade. Ele ou ela nadou por debaixo de mim ao longo do fundo de areia ondulante, completamente desinteressado na minha presença. Me apaixonei na hora”.

Ocean se apaixonou pelos tubarões ainda menina  (Foto: reprodução instagram (@oceanramsey))

Depois de estudar ciências comportamentais, psicologia e biologia marinha, a americana fez seu mestrado em etologia (o estudo do comportamento animal) e focou no comportamento dos tubarões. “Eu nunca pensei em trabalhar em conservação em tempo integral, mas os estudantes de mergulho frequentemente perguntavam se iríamos ver um tubarão durante qualquer um de nossos mergulhos. Fiquei chocada com o tom de medo que eles exibiam ao fazer esta pergunta e me encontrei constantemente tendo que explicar que se fizéssemos isso seria o ponto alto do mergulho e que os tubarões são realmente lindos e incríveis de se ver. Começou a se tornar uma coisa normal para mim procurar e propositalmente levar meus alunos para ver os tubarões porque eu queria que eles vissem sobre o que eu estava falando, como os tubarões são realmente incríveis”, conta ela.

Mas o ponto de virada ocorreu durante a realização de uma pesquisa sobre tubarões para seu mestrado. Todos os dias, durante muitos anos, Ocean contava tubarões, até que um dia caiu a ficha: “Eu fiz as contas e, no tempo que levaria para terminar meu Ph.D., outros 600.000.000 tubarões morreriam. Qual é o sentido de estudá-los se todos eles forem eliminados? Foi aí que tomei a decisão de mudar o foco da minha vida e trabalhar para salvar ativamente os tubarões”.

Depois de estudar psicologia e biologia marinha, ela focou no comportamento dos tubarões (Foto: reprodução instagram (@oceanramsey)

Ocean decidiu que a melhor maneira de mudar a opinião das pessoas sobre os tubarões era oferecer-lhes uma experiência direta com os animais. Ela fundou a One Ocean Diving and Research e criou um programa de pesquisa de interação onde não-cientistas podem observar e interagir com os tubarões. Os participantes do programa aplicam o que aprenderam durante o curso em uma atividade guiada, sem gaiolas, com tubarões em locais de agregação natural no Havaí. “Posso levar seis pessoas por barco, por dia. Cada grupo é acompanhado por um biólogo marinho altamente treinado. Cada pessoa da minha equipe treina em tempo integral comigo por mais de um ano antes de orientar as pessoas por conta própria”.

A experiência é geralmente descrita pelos participantes como uma mudança de vida e de pensamento. “Mas a parte mais importante e impactante da experiência é quando os participantes postam fotos e vídeos de suas experiências e o que eles aprenderam sobre os tubarões. Isso ajuda muito a mudar a mente dos outros”, garante a defensora dos tubarões.

Ocean tem um programa no Havaí em que leva não-cientistas para observar tubarões (Foto: reprodução instagram (@oceanramsey)

Fique ligado nos projetos atuais e futuros de Ocean, seguindo-a no Instagram @OceanRamsey, junto com seu namorado Juan Oliphant @JuanSharks, e seus institutos @OneOceanDiving e @OneOceanResearch.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários