Dificuldade para engravidar? Você pode ser (ou estar) infértil – GQ

10

Aqui vai uma aula resumida sobre os motivos que podem levar à infertilidade masculina. O primeiro deles é genético, pouco comum. O homem já nasce com alguma alteração na espermatogênese (a formação dos espermatozoides) e ela vai diminuindo ao longo da vida até que não produza mais nada. Depois, existem alterações de cromossomos também, como a síndrome de Klinefelter, na qual o homem nasce com um Y a mais (em vez de ser XY, é XYY). Essa mutação causa o fim da produção de sêmen. Há ainda as causas mais comuns de danos ao espermatozoide, aquelas em que o homem adquire infecções por transmissão sexual – tipo a varicocele, uma má formação na qual ocorre uma dilatação varicosa das veias da região do testículo, aumentando a temperatura no testículo e prejudicando não só a formação como a qualidade dos espermatozoides. Ufa.

Quem nos ensinou tudo isso foi a Dra. Maria Cecília Erthal, especialista em reprodução humana e diretora-médica do Vida-Centro de Fertilidade. “Outras causas da infertilidade podem vir por meio de trauma na região do testículo, como uma queda brusca de bicicleta ou uma bolada. Algumas medicações como anabolizantes e Finasterida podem interferir na produção de espermatozoide”, completa a médica, que respondeu outras questões sobre o tema. Veja como foi o papo.

+ Aplicativo avalia seu sêmen e diz como anda sua fertilidade (em comparação à do resto do mundo)
+ Saiba como seu estilo de vida pode afetar sua fertilidade

GQ Brasil – A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera infértil um casal que mantém relações sexuais sem métodos contraceptivos durante 12 meses sem engravidar. Casais nessa situação precisam se preocupar?

Dra. Erthal – Os casais precisam procurar ajuda de um especialista. A primeira coisa é saber o que está causando a dificuldade de engravidar. A partir daí é necessário fazer exames e investigar, para saber qual é o motivo.

GQ Brasil – Em quanto tempo se deve procurar ajuda médica?

Dra. Erthal – Mulheres, principalmente a partir dos 35 anos, quando sabemos que cai muito a produção de óvulos, devem esperer apenas seis meses nessa situação. Se não conseguiu a gravidez nesse tempo, a recomendação é procurar um profissional de reprodução humana assistida.

GQ Brasil – Quais médicos as pessoas devem procurar quando desconfiam do problema? Começar por um clínico geral? Ou partir pra médicos mais especializados?

Dra. Erthal – O ideal é procurar um médico especialista em reprodução humana, com pesquisa em infertilidade. Ir ao clínico pode demorar mais tempo para ter esse diagnóstico e muitas vezes o tempo é fundamental.

A Dra. Maria Cecília Erthal (Foto: Divulgação)

GQ Brasil – Estima-se que são 10 milhões de brasileiros nesta situação. O que a medicina explica sobre os motivos de tantos homens passarem por isso?

Dra. Erthal – Sempre houve infertilidade masculina, mas não se investigava o homem e se colocava a culpa sempre na mulher. Hoje sabemos que 50% da infertilidade é masculina e 50% feminina. Vejamos a varicocele. O homem pode ter alguma alteração no sêmen e ter varizes no saco escrotal sem nem saber. Às vezes são varizes internas. Muitas vezes há algum problema genético e a partir do momento que fazemos um diagnóstico da parada de produção de espermatozoide podemos descobrir isso.

GQ Brasil – Quais os tratamentos mais avançados no mundo para esta questão?

Dra. Erthal – O mais avançado é a fertilização in vitro. Houve uma mudança grande nos anos 80 com a entrada da ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoide), que foi uma evolução nos procedimentos de reprodução humana assistida, na qual selecionamos um espermatozoide e colocamos direto dentro do óvulo. Utilizamos também algumas maneiras de melhorar a qualidade do espermatozoide, como medicamentos antioxidantes e tratamos eventuais infecções que o possam estar danificando.

GQ Brasil – E a infertilidade sem causa aparente?

Dra. Erthal – 10% dos casais recebem esse diagnóstico quando nós não conseguimos identificar o motivo. O motivo existe, mas a ciência ainda não chegou lá para esclarecer. Talvez as ferramentas que temos hoje não sejam o suficiente para elucidar os casos mais graves.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários