Diretor de filme sobre João de Deus conta a experiência: “Chorei muito” – GQ

5

Em cartaz nos cinemas, o documentário João de Deus – O Silêncio é uma Prece mergulha no dia a dia do Médium brasileiro de Abadiânia que lota estádios em todo o mundo com pessoas em busca de cura e que já foi até entrevistado por Oprah Winfrey. Confira a entrevista com o realizador do filme, Candé Salles, que conta sobre sua transformação para o projeto.

GQ: Como você conheceu João de Deus? O que despertou a ideia de fazer um filme sobre ele?
Candé Salles: Depois que fiz o documentário Para Sempre Teu, Caio F, fiquei com vontade de contar outra história de alguém. Me apaixonei pela linguagem documental do cinema. Ouvi algumas pessoas até que um amigo me contou da existência do Sr João Teixeira de Farias, um curandeiro que atendia no interior de Goiás e que tinha curado o câncer da cabeça da esposa dele. Pesquisei e fiquei muito impressionado com o que vi. Fui encontrar o Sr João em São Paulo e pedi a ele para fazer o filme. Ele me olhou de cima a baixo e me disse: ‘Por mim tudo bem, mas você tem que ir a Abadiânia perguntar para a minha Entidade’. Fui lá em Abadiânia na semana seguinte e me ajoelhei aos pés da entidade e disse da minha vontade. Ele respondeu: ‘Não é você que quer fazer um filme, fui eu que te escolhi. Eu sou Dr Augusto de Almeida. E você está muito sujo. Posso te limpar?’ Eu disse sim! E comecei uma viagem interna dentro de meu coração, cabeça e objetivos. Mudei muito. Chorei muito. E percebi que meus valores e atos estavam comprometidos pelo mundo competitivo em que vivo. Percebi que às vezes olhar para o lado e perceber o outro traz uma paz sem explicação. Dar um sorriso, um abraço, perceber o outro às vezes é tão simples para nós e pro outro faz uma diferença enorme. Eu senti que meus valores voltaram ao início de minha educação. Fui me limpando de tudo que acabei aprendendo com o mundo competitivo. Percebi que não importa como você se veste nem quem você é, importa amar e respeitar a todos sem distinção.

GQ: Qual foi o grande feito dele presenciado por você?
Candé Salles: O grande feito dele presenciado por mim é a preocupação com os outros. O cuidado, o amor que ele passa. Além da Casa Dom Inácio (onde ele atende quartas, quintas e sextas na esperança de acalmar e curar pessoas em busca de crescimento espiritual), ele tem a Casa Da Alimentação, onde distribui pratos de comida, roupas e material escolar pra quem não tem condições. Isso é lindo, inspirador. Já pensou se algumas pessoas fizessem isso? Seria um sonho pro Brasil.

O diretor do documentário Candé Salles (Foto: Divulgação)

GQ: O que mais lhe impressionou?
Candé Salles: O que mais me impressionou foi numa viagem à Suíça onde o Medium atendeu 12 mil pessoas em Basel. Lá, incorporado pela entidade do Rei Salomão, ele mastigou um copo de vidro. Tá lá no filme! É uma cena forte na qual você percebe nitidamente que ele está incorporado.

GQ: Qual característica dele o coloca mais perto das pessoas comuns?
Candé Salles: O carinho e respeito que ele tem com sua esposa, Dona Ana, e sua filha Mariana de 3 anos. Ele vira um pai babão, brinca com ela, senta no chão… Muito lindo de ver! Ele leva ela na escola e faz tudo para agradar a Dona Ana. Só amor, como o filme tenta mostrar: doe amor que volta tudo para você.

Assista ao trailer do filme:

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários