“Divirta-se e não siga regras” – Notas – Glamurama

5

O designer de sapatos Edgardo Osorio e a atmosfera da loja Aquazzura no Shopping Cidade Jardim, em São Paulo || Créditos: Divulgação

Cada vez que uma marca de fora desembarca no Brasil as glamurettes entram em polvorosa. Quando se trata de sapatos, a euforia é maior ainda. Pois bem: a última a ganhar espaço em solo nacional é a Aquazzura, label de sapatos baseada em Florença, criada pelo colombiano Edgardo Osorio (Julianne Moore, Rihanna e Diane Kruger são fãs). O que fez a Aquazzura apostar no país para abrir seu primeiro endereço na América do Sul? A extensa lista de brasileiras que gastam seus dólares nas boutiques dos Estados Unidos.

A loja fica no Shopping Cidade Jardim, em São Paulo, o reduto de luxo do país, e Osorio veio pessoalmente “cortar a faixa” na inauguração. Pouco antes, ele havia aberto no Soho sua segunda loja em Nova York e em Las Vegas também. No espaço daqui, lulus encontram de tudo: sandálias altíssimas, flats, botas e até sneakers. Tudo em uma atmosfera cool, com lustres de Murano e listras p&b inspiradas na basílica florentina de Santa Maria Novella.

Hits da Aquazzura e a fachada da loja do Shopping Cidade Jardim. Os pares variam de R$ 3 mil a 8 mil || Créditos: Divulgação

Depois de uma imersão no mundo das lulus brasileiras (ficou encantado com a forma como elas estão sempre impecáveis), o designer estava pronto para nossa entrevista. Edgardo Osorio é um cara ligado em tudo – viaja nove meses por ano – e empolgado com o cenário atual da moda. “As mídias sociais e a internet tornaram tudo muito acessível, além de estabelecer finalmente uma conexão entre clientes e designers, um diálogo para que a gente entenda nossos consumidores. É um momento de diversidade, de mudanças, de empoderamento das mulheres e das pessoas.”

Ter se rendido ao tênis – o primeiro modelo chega às lojas em novembro – é o “big deal” atual da marca. O sneaker Aquazzura tem os tênis de corrida dos anos 1970 como inspiração. “Eu queria um tênis que pudesse ser usado com jeans e também com um tubinho, algo leve e super confortável”, explica. Ninguém discute o poder de um bom salto, mas são justamente os tênis, a nova febre da moda, que tem colocado à prova a necessidade de conforto nos calçados. “Uma mulher não pode sofrer no sapato, especialmente em um calçado de luxo que custou muito dinheiro. É preciso se sentir bem, andar com conforto, não apenas visualmente bem, só para fazer uma foto e sentar (risos).”

Para o designer, moda é diversão e a quebra de padrões é bem-vinda em sua loja. “Gosto de pensar que muitos tipos de mulher podem usar os sapatos da marca. Pode ser uma mulher de negócios ou uma mais rock’n’roll, para ir a um concerto ou apenas caminhar no shopping. Você pode ter tudo isso explorando diferentes aspectos de sua personalidade e usar a moda como forma de expressar seu momento.” Sua melhor dica de estilo? “Seja você mesmo, divirta-se e não siga regras (risos).”

Sapatos Aquazzura que têm Rihanna e Diane Kruger como fãs || Créditos: Divulgação

Despertou sua atenção a elegância que filhas, mães e avós de famílias tradicionais de São Paulo têm em comum. “A idade está na mente, você pode ter 20 anos e ser velha, e pode ter 75 e ser mais jovem do que uma garota de 15. Hoje em dia há menos regras, todos querem parecer jovens e se sentir bem. É um momento de autoexpressão. Mulheres estão mais ativas do que nunca e há um sapato para cada momento da vida de uma mulher.  É preciso de um guarda-roupa diversificado para se encaixar neste lifestyle.”

Ainda sobre as brasileiras, completou: “Amo as mulheres brasileiras e suas personalidades. Mesmo quando estão casuais são impecáveis. É um fenômeno da América do Sul esse cuidado com o corpo e com o visual, elas querem atingir o seu melhor.”

Em tempo: O designer adiantou que, em 2019, vai expandir o mix de produtos da Aquazzura com o lançamento de coleções-cápsula que vão além de sapatos. “Pensamos em itens para a casa, fragrâncias, óculos de sol, joias…”

Fonte oficial: Glamurama

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários