“É difícil pensar no homem fora do padrão. Mas vejo rupturas”, explica Mário Queiroz – GQ

12

Exposição do Homem brasileiro de 2017 que aconteceu na Unibes cultural em SP (Foto: Divulgação)

Um dos encontros do Homem Brasileiro deste ano – evento que dialoga com as desconstruções da masculinidade é sobre o “homem e o consumo”. O estilista Mário Queiroz, um dos grandes nomes da moda masculina no Brasil, dá pistas sobre os criadores – e os consumidores – de hoje (e como eles são retratados e representados):

+ “O homem pode ser mais afetuoso. Mas isso só é possível se a mulher abrir espaço”, diz Mário Queiroz
+ Mário Queiroz dispara: “Pelo movimento das mulheres, os homens precisam mudar”

GQ Brasil: Como você vê a moda masculina brasileira hoje?
Mario Queiroz: Participo deste movimento da moda – tanto do lado autoral quanto o de grande fabricação – há uns 30 anos. O mercado brasileiro nunca foi aquele que se coloca para experimentar e acredita em novas propostas. Ele é muito tímido, retraído. Nunca como designer eu tive total liberdade. Tive que defender uma modelagem de calça como se fosse uma bandeira. O papel de quem desenvolve um produto brasileiro surge muito como um esforço da criação. A economia acha melhor que os homens usem determinada cor e modelagem para uniformizar. Se a gente amplia o leque de produtos, vende mais. No caso do Brasil, acho que falta dinheiro, falta um movimento da moda para incentivar novos criadores. Mas internet e e-commerce podem facilitar. No mercado em geral,  percebo certa elasticidade – mesmo no fast fashion – e vejo que o espaço do homem aumentou.

GQ Brasil: Qual é o homem brasileiro que ainda está sendo representado na moda hoje? Esta imagem do homem branco, de alto poder aquisitivo e bem-sucedido foi superada para imagens mais representativas?
Mário Queiroz: Esta em mudança. É importante pensar que é difícil para o mercado pensar no homem como plural. É difícil pensar no homem fora do padrão que a publicidade tanto alavancou. Uma parte do evento está na ESPM porque a gente precisa falar com a publicidade. Precisa pensar se estas representações podem ser mudadas (e como mudá-las). Mas vejo rupturas. Ao mesmo tempo, vamos sofrer outro lado que vai proibir isso.

O Homem Brasileiro acontece de 26 a 29 de agosto no centro Cultural São Paulo, na Unibes Cultural e na ESPM. As inscrições já estão abertas e são gratuitas.

Acompanha tudo de GQ? Agora você pode ler as edições e matérias exclusivas no Globo Mais,o app com conteúdo para todos os momentos do seu dia. Baixe agora!

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários