Especialista em LinkedIn, Carolina Dostal revela o que fazer e o que não fazer na rede que mais engaja atualmente – Notas – Glamurama

12

Carolina Dostal que sabe tudo de Linkedin || Créditos: Reprodução

Carolina Dostal, especialista em LinkedIn e marketing digital, membro do time de expansão da AgregaCo., consultora de perfil LinkedIn e conexões inteligentes para Umanas, responde três importantes perguntas para a revista PODER sobre o melhor uso da rede que mais engaja atualmente.

Da revista PODER de março

O Linkedin, por vezes, é visto como uma rede de distribuição de currículo, mas ela é muito mais do que isso, confere?

Eu considero uma rede onde você pode provar sua autoridade profissional, ser protagonista da sua própria história profissional, um lugar perfeito para fazer networking: multiplicar sua penetração off-line no mundo on-line, aumentar sua presença, escalar sua presença, já que é impossível estar em tantos lugares ao mesmo tempo. É um ambiente ideal para você se manter atualizado em relação ao seu mercado de atuação e principalmente a assuntos ligados ao futuro do trabalho, que é algo que preocupa muito os profissionais de todas as áreas e escalões.

Quais as dicas para utilizar a ferramenta para alavancar seguidores e gerar engajamento? e valem também conselhos do que não é bom fazer.

É importante se doar para a rede com conteúdo relevante, compartilhando novidades sobre seu mercado de trabalho e experiências profissionais inovadoras que realmente possam fazer diferença na vida profissional dos usuários da rede. A regra dos três C é muito válida: Curtir, Comentar e Compartilhar sempre pensando em contribuir para a rede, afinal, redes sociais, mesmo que profissionais, se baseiam no relacionamento entre os usuários. Seu LinkedIn deve ser vivo, ativo. Esse é o propósito! Por outro lado, não devemos colocar conteúdo que fuja de assuntos profissionais. Perfil sem foto, sem resumo, ou ter uma conta só para constar; entrar em briga e discutir na rede assuntos polêmicos; mentir sua formação acadêmica – não faça nada disso. Também é bom evitar fotos da família ou com animais de estimação – a não ser que você seja do ramo. Mas um dos piores erros é ter o perfil em duplicidade.

Pensando nos(as) grandes executivos(as) e líderes do mercado, no c-level: a forma como essas pessoas devem usar a rede é diferente de um estagiário, certo?

Os C-level têm um papel importantíssimo na construção da cultura da empresa. O LinkedIn, por ser uma rede social profissional, acaba sendo considerado um canal perfeito para difusão da cultura organizacional por meio da voz desses líderes. O conceito utilizado nesses casos é o de “Thought Leadership” e as empresas passam a ser mais admiradas quando seus CEOs compartilham sua visão de mundo na rede. Outro ponto que confirma a importância dessa atuação é a tendência da humanização das redes sociais, já que as pessoas estão mais propensas a se relacionar com pessoas e não empresas.

Fonte oficial: Glamurama

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários