“Espero trabalhar em breve em Hollywood”, diz Leandro Lima – GQ

11

Leandro Lima aparecerá bem à vontade em Coisa Mais Linda, série da Netflix que estreia hoje (22). Ele será Chico Carvalho, um músico talentoso e devoto da Bossa Nova. Apaixonado por música, o papel é visto como uma realização pelo ator.

“Dois grandes sonhos foram realizados neste trabalho. Eu queria atuar para uma plataforma de streaming – e veio o convite da maior de todas, a Netflix. Eu também pedia muito ao universo que viesse um personagem com envolvimento com música”, revelou à GQ.

Nesta entrevista exclusiva, o ator fala sobre o seu vasto conhecimento sobre música, as peculariedades do streaming e o seu maior maior sonho: “Espero em breve trabalhar em uma produção hollywoodiana. Quero muito fazer. Acho super possível”, disse.

+ Ofertas Amazon: Livros – lançamentos e promoções imperdíveis

GQ: O fato de você ser musico foi determinante pra conseguir esse papel? Como começou sua relaçao com a musica?

Eu acho que sim, cara. A paixão pela música encurtou o caminho para chegar ao Chico. A minha relação com a música começou quando eu ainda era pequeno. Meus pais faziam muitas reuniões de amigos, sempre com reunião, com muitos instrumentos. Ouvi desde criança muito Chico Buarque, Milton Nascimento, João Bosco, Gonzaguinha, Caetano – muito Caetano. A música sempre foi muito presente na minha vida.

GQ: O Chico seu personagem é uma composição de varios nomes emblemáticos da bossa nova? Pode citar alguns desses nomes?

O Chico tem um pouco do João Gilberto, um pouco do Tom Jobim, um pouco do Roberto Menescal… E até um pouco do Chico Buarque, que surgiu pós-Bossa Nova. E me inspirei em histórias que a gente lê. Graças a jornalistas como Ruy Castro, nós podemos imaginar imagens muito nítidas daquela época. Tive referências muito interessantes.

Leandro Lima em Coisa Mais Linda (Foto: reprodução)

GQ: A Bossa Nova foi o movimento musical brasileiro até hoje com mais expressão pelo mundo. Sente um frio na barriga por estar numa serie que vai ser transmitda no mundo todo?

Eu nunca tinha pensado nisso. Acho que o frio na barriga está chegou agora, depois da sua pergunta (risos). Eu mergulhei no universo da Bossa Nova, mas nem atinei que 190 países irão assistir (risos). Agora caiu a ficha.

GQ: Você é mais um ator que vem despontando na cena brasileira que sai da TV aberta e se aventura no universo do streaming. Como você enxerga esse movimento?

O streaming é uma evolução. O mercado todo vai se adequar a isso. Falo isso como espectador e como artista. São mais possibilidades. Agora nós podemos atingir mais pessoas, gente do mundo inteiro, com o streaming. O desconforto com a evolução pode existir, mas faz gerar o crescimento da área. Que venham mais oportunidades como essa.

Leandro Lima em Coisa Mais Linda (Foto: reprodução)

GQ: Quais são seus próximos passos? Seu sonho?

Dois grandes sonhos foram realizados neste trabalho. Eu queria atuar para uma plataforma de streaming – e veio o convite da maior de todas, a Netflix. Eu também pedia muito ao universo que viesse um personagem com envolvimento com música e agora veio o Chico. Sobre os próximos passos, quero trabalhar mais e explorar tudo o que tenho de ferramenta para melhorar cada vez mais na profissão. Espero em breve trabalhar em uma produção hollywoodiana. Quero muito fazer. Acho super possível.

GQ: Quais são suas 5 musicas preferidas da bossa nova?

É muito difícil escolher só cinco, cara. Que coisa difícil… Mas vou começar com Coisa Mais Linda, a música que representa a Bossa Nova como nenhuma outra: ela foi composta por Carlinhos Lyra, tem arranjos de Tom Jobim, letra de Vinicius de Moraes e é interpretada por João Gilberto; Samba de uma nota só, uma canção incrível de João Gilberto; Chega de Saudade, maravilhosa; O Pato, na versão de Lenni Dale; e Samba de Orly, por contar a história da visita de Vinicius de Moraes a Chico Buarque na Itália.

+ “Todos nós, enquanto seres humanos, somos políticos”, diz Maria Casadevall
+ Modelo internacional, Leandro Lima diz a que veio como ator

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários