“Estou me sentindo melhor aos 40 anos”, diz Mattias Schoenaerts – GQ

7

À primeira vista, o nome de Matthias Schoenaerts pode não soar familiar. Mas, ao ver o seu rosto, todo mundo lembra de sua marcante interpretação em Ferrugem e Osso, contracenando com Marion Cottilard. A partir daí a carreira do ator belga decolou, e ele surgiu em diversos filmes, inclusive em sucessos de bilheteria hollywoodianos como o recente Operação Red Sparrow, onde interpreta Vania, tio de Jennifer Lawrence.

+ Banida de Cannes, Netflix se destaca no Festival de Veneza
+ Lady Gaga estreia com Cooper em Veneza: “Nunca quis ser sexy. Queria ser como sou”
+ Repleto de ação, ‘Jack Ryan’ também surpreende pelo tom humano

Frequentador habitual de festivais de cinema, Matthias está em Veneza lançando Close Enemies, de David Oelhoffen, que concorre ao Leão de Ouro. No longa, ele e Reda Kateb interpretam amigos de infância que seguem caminhos diferentes na vida adulta. Um é frances, loiro de olhos claros, o outro é filho de imigrantes. Um vira uma especie de ladrao de bom coraçao; o outro, um policial destemindo. O filme agradou ao público e a critica no Festival.

Matthias em "Close Enemies" (Foto: divulgação)

Aos 40 anos, ele diz estar em sua melhor fase. “Acho ótimo ter 40 anos, me sinto bem física e mentalmente. Eu realmente acho que a idade é um número. Cuido do meu corpo, exercito minha mente, então está tudo certo. Não faço celebrações dos meus aniversários, aproveito com os amigos e a família, mas é só. Essa é a melhor fase da minha vida, mas não sei se tem a ver com a idade. As pessoas se preocupam demais com a idade, não precisa ser assim”, comentou o ator, em entrevista à GQ durante o Festival de Veneza.

Em Close Enemies, Matthias  Schoenaerts  tem várias cenas de ação. Ele revela que não teve nenhuma preparação especial para isso. “Faço esportes e não me preocupei em ter um cuidado diferente com o corpo para as cenas. Acho que nem fui tão exigido. Gosto de esportes e preciso praticar alguma coisa sempre, porque sinal fico meio maluco”, disse, entre gargalhadas.

Assim como em Operação Red Sparrow, ele interpreta um homem de personalidade duvidosa. Encarnar o vilão seria sua especialidade? Ele acredita que não, e defende seus personagens. “Em Close Enemies eu não me considero um vilão. Acho que a vida levou meu personagem, Manuel, para um caminho não tão bom, o que não significa que ele seja um mau caráter. Gosto de papeis que me desafiem, e este foi assim: li o roteiro e quis fazer o filme imediatamente”.

Hollywood continua em seus planos, mas sem pressa. “Falo inglês e frances, entao vou para onde os bons papeis me levam. Tenho alguns projetos em Hollywood, mas continuo fazendo filmes na Europa. O bom é poder estar em varios lugares, fazendo muitas coisas legais com gente interessante”.

E, voltando ao assunto da idade, ele comentou que é jovem para correr atràs dos papeis. “Penso que ainda sou jovem e tenho planos, que vou fazer os filmes que quero fazer onde quero fazer e quando quiser fazer… e que sim, os Estados Unidos fazem parte desse mundo do cinema e estou com planos de conseguir coisas là. Mas nao tenho pressa. Os 40 (anos) sao só o começo”, finalizou.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários