Figurino de “Bohemian Rhapsody” é um diário visual das transformações de Freddie Mercury  – Moda – Glamurama

9

Rami Malek como Freddie Mercury no antológico show Live Aid // Divulgação

Que Freddie Mercury é um dos ícones da música mais relevantes do século XX, é indiscutível. Mas assim como Elvis Presley, David Bowie e Elton John, entre outros, ele também ditou moda. Em “Bohemian Rhapsody”, filme que celebra o legado do Queen e a genialidade de Freddie Mercury, o figurino do astro do rock é um dos pontos altos. “Queen é a realeza do rock e suas performances são extraordinárias e eletrizantes, então meu desafio foi ajudar a recriar essa mágica na tela”, disse Julian Day, figurinista do filme biográfico de Bryan Singer.

Cenas de “Bohemian Rhapsody” || Créditos: Divulgação

Além de recriar looks de palco e aparições públicas de Mercury, Day também teve que imaginar os outfits que o rockstar usava atrás das câmeras. “Não há filmagens dos primeiros anos de Queen e pouco material de bastidores”, explica o figurinista em entrevista à revista britânica “Tatler”. “Além de procurar nos arquivos da banda, fui convidado para ir à casa de Brian May [guitarrista do Queen], onde muitas das roupas de Freddie estão guardadas, por isso tive conhecimento em primeira mão de algumas das peças de bastidores.” Sessenta por cento do figurino foi reproduzido a partir do zero e 40% reaproveitado de acervo.

Cenas de “Bohemian Rhapsody” || Créditos: Divulgação

A recriação mais preciosa na opinião do figurinista foi a da roupa usada pelo líder do Queen no histórico show Live Aid, em 1985, em Londres – cena de abertura e de encerramento do filme. Apesar de visualmente simples, foi a mais difícil por estar na memória de muitas pessoas. “Entramos em contato com a Wrangler e pegamos o jeans exato que ele usou na ocasião e pedimos à Adidas para refazer as botas de boxe que ele usava, com a sola muito fina. Ele era um dançarino enérgico, então queria estar perto do chão – usava sapatilhas com frequência no palco”, conta Day. “Alguém da equipe conhecia a pessoa que havia feito o cinto e o bracelete, então pedimos que reproduzissem.”

Na hora de recriar a regata que compunha a produção, o desafio foi maior. Foram feitas 20 versões da peça até chegarem no melhor resultado. “Um dia antes de filmar a cena, Rami [Malek] veio até mim e disse: ‘Tenho assistido cenas do Live Aid e acho que nossa regata tem uma forma um pouco diferente’, e tive que concordar. Era uma diferença de menos de meio centímetro”, lembra o figurinista. Detalhe: Segundo o “Daily Mail”, Malek assistiu ao show 1.500 vezes.

Cena de Remi Malek em “Bohemian Rhapsody”, com look usado no show Live Aid || Créditos: Divulgação

Outros pontos para se ligar: o estilo de Freddie vai mudando ao longo do filme, como em um diário visual dos anos 1970 até o final dos anos 1980 – dos tempos de cabelo comprido usando roupas de sua mãe, passando pelos macacões do glam rock até chegar no icônico bigode e peças de couro da década de 1980. Como Day diz: “Ele entendeu a importância da moda – era muito teatral”. Seu poder em lançar tendências também deve ser lembrado, sobretudo pela androginia que defendeu nos anos 70 e à cena fetichista que trouxe para ao grande público com seus acessórios de couro, chapéus e cintos em 80.

A Swarovski colaborou com o figurinista para recriar vários figurinos mais sofisticados, como uma jaqueta de veludo dourada e roxa, e uma coroa de cristais. A parceria entre o filme e a marca rendeu ainda mais frutos: desde o dia 18 de outubro foi montada uma exposição e uma pop up na Carnaby Street 3, em Londres, para apresentar o acervo de fotografias, gravuras, filmagens e figurinos incríveis de ‘Bohemian Rhapsody’. E tem mais: A Swarovski colaborou com a Twentieth Century Fox and Regency Enterprises criaram um poster de Bohemian Rhapsody com mais de 14 mil cristais que será vendido em prol da Mercury Phoenix Trust, fundação criada em 1992, que tem como objetivo combater a AIDS em todo o mundo.

Aqui o trailer de “Bohemian Rapsody”:

 

Fonte oficial: Glamurama

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários