GQ Vozes: Edgar é rapper futurista com discurso social forte e sem clichês – GQ

24

“De um jeito antigo, me renovo todo dia”, ecoa Edgar na faixa de abertura de seu mais recente álbum, Ultrassom, lançado em setembro de 2018. De fato, renovação pode ser uma palavra para definir sua arte, que mistura música e poesia de forma inédita na cultura brasileira atual.

Protagonista do projeto GQ Vozes desta edição, ele evita rótulos e prefere ser considerado artista a cantor. “Não tinha vontade de ser cantor, a minha parada é escrita, poesia e poema. Quando comecei a recitá-los, fui aos poucos inserindo batidas e, assim, criando música”, declara. Apesar de estar na cena há cerca de 5 anos, só ganhou projeção após um dueto com Elza Soares na faixa assinada por ele e Kiko Dinucci, “Exu nas Escolas”, para o 33º disco da cantora, o “Deus é Mulher”. Edgar pegou carona no rastro da visibilidade para lançar seu último disco, produzido por Pupillo, ex-baterista do Nação Zumbi, com participação da cantora Céu.

Edgar: Rapper futurista faz discurso social com força e sem clichês (Foto: Takeuchiss)
Edgar: Rapper futurista faz discurso social com força e sem clichês (Foto: Takeuchiss)

Nascido em Guarulhos, Edgar tem raízes  pernambucanas, o que contribui para a criação de uma obra com referências dos ritmos nordestinos, batidas eletrônicas oitentistas no estilo Kraftwerk e rap manifesto. “Minha música é flexível. Às vezes ela é mais orgânica, às vezes mais digital. Flerta bastante com o hip hop, mas não me considero parte do movimento, porque minha arte é mais fluida.”

Edgar: Rapper futurista faz discurso social com força e sem clichês (Foto: Takeuchiss)

Ao assistir uma apresentação de Edgar, é difícil colocar em palavras o que se vê. É dança, é música, é teatro. É meio show, meio intervenção. Mas é, sobretudo, subversiva. Seus shows começam com o músico usando máscaras que vão sendo tiradas ao longo da performance. “Quando coloco uma máscara, eu deixo de ser humano para me tornar algo mais etéreo. A ideia é fazer com que as pessoas prestem mais atenção no que está sendo dito e, ao tirar (a máscara), mostro que o humano que fala, assim como o que ouve, é quem pode mudar a realidade dura da mensagem passada.”

+ Conheça Edgar, o músico mascarado que se esconde para ter voz: “Por não me verem, me escutam”

+ GQ Vozes: Davi quer falar de sentimentos com você

+ Ofertas Amazon: TV, Áudio e Cinema em Casa com descontos

Edgar: Rapper futurista faz discurso social com força e sem clichês (Foto: Takeuchiss)

Já o chamaram de ‘profeta do apocalipse’, ‘rapper futurista’ e ‘MC lisérgico’. Não nega nenhum título, mas se diverte com eles. Os apelidos provavelmente vêm de seus personagens de estética impactante. Boa parte das roupas são criadas por ele mesmo, mas ao ser perguntado sobre moda, confessa não ter nenhuma relação com a indústria: “Não acompanho moda e acho o sistema inacessível. As coisas que faço são para serem usadas no dia a dia ou nos meus shows, não têm a finalidade de venda”.

Edgar: Rapper futurista faz discurso social com força e sem clichês (Foto: Takeuchiss)
Edgar: Rapper futurista faz discurso social com força e sem clichês (Foto: Takeuchiss)

Para ele, o melhor momento da música brasileira é o agora. “Aliás, o melhor momento de tudo é o agora, porque é a única coisa que temos”. O mantra segue com o artista desde que parou de consumir bebida alcoólica, decisão tomada após cair em si sobre a publicidade misógina e sexista das marcas de cerveja. Verborragia necessária para os dias atuais.

Fotos: Takeuchiss
Styling: Gabriel Feriani e Manu Fiães
Assistente de moda: Leo Napolitano  
Grooming: Suyane Abreu

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários