Graças a Marcelo Yuka, um açougueiro virou inspiração para o apelido de Seu Jorge – GQ

5

Ator (embora não tenha planejado isso), cantor, compositor, capa da #GQAbril, o brasileiro ideal. Seu Jorge é o cara deste mês – e de vários. Na segunda parte de nosso especial com ele, Jorge fala sobre sua relação com Marcelo Yuka

O músico Marcelo Yuka, falecido em janeiro de 2019, foi quem o batizou de Seu Jorge, pensando naquele vizinho de bairro em quem você sempre pode confiar.

+ Seu Jorge usa crochê para matar tempo durante voos longos
+ Seu Jorge conta o segredo do sucesso: “colocar as ideias em prática”

“Estava no começo com o meu grupo, o Farofa Carioca, e nós morávamos em Santa Tereza”, diz Seu Jorge. “Conheci o Yuka, o Marcelo D2, o Falcão do Rappa. Me chamo Jorge Mário, mas não podia ter esse nome como bandleader. Conversando com o Yuka, ele falou: ‘Por que não Seu Jorge? Porque tem este cara, o Seu Manoel, do açougue, que faz fiado. Este personagem do subúrbio’. Na música não tem ninguém, então eu podia ser o Seu Jorge. Chama o Seu Jorge que ele conserta esta parada para você. Achei engraçado, tinha a ver comigo naquele momento. O Seu Jorge podia chegar com sua banda em qualquer lugar para levar alegria. Minha missão é trazer beleza e fazer com que as pessoas tenham mais fé e acreditem mais no sentido das coisas. A minha música, a minha mensagem através dos filmes, são buscas puras de alternativas de outros caminhos, para inspirar as pessoas e fazê-las felizes. Quero que, assim, elas tenham ideias novas. Minha missão aqui é essa.”

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários