Guia prático de sobrevivência para quando seu bebê estiver chorando – GQ

25

Que pai nunca sentiu a sensação de impotência quando seu bebê começa a chorar sem parar e você não sabe o que fazer? Se já passou ou está passando por isso, entenda que diferentes fatores podem ocasionar o chororô sem fim, como fome, dor, desconforto, frio ou quando ele quer um pouco de aconchego.

“O choro é a forma que o bebê tem de se comunicar com o meio externo, ficar atento a todas essas manifestações e reações dele, além de dar aconchego, é o que pai pode fazer”, explica Rosamaria Pirollo, gerente de enfermagem da Maternidade Pro Matre Paulista, que mostra o que você deve fazer para que o pequeno se acalme em cada situação. Confira abaixo.

Calor e frio

“O bebê sente calor e frio. Às vezes, se ele está chorando, precisamos avaliar sua temperatura, porque quando ele está superaquecido, ou sentindo muito frio, pode ficar irritado. Se a família não tiver um termômetro para medir a temperatura, é necessário abrir a roupa do bebê, colocar a mão no peito dele e sentir. Se estiver muito quente, transpirando, pode tirar o excesso de roupa; se estiver muito gelado, é bom colocar mais roupa para cobrir e proteger.”

Fome

“Quando o bebê chora por estar com fome, o ideal é colocar no peito da mãe e deixa-lo lá o quanto ele quiser. Mas é importante ficar atento, pois caso a mamada ultrapasse os 50 minutos de duração, é possível que a pegada não esteja adequada ou que o bebê tenha caído no sono.”

Cólica, fraldas e roupas

“Outro fator que pode ocasionar o choro e pode começar a acontecer a partir da segunda semana de vida do bebê é a cólica. Além dela, a sujeira da fralda ou, na primeira semana, se algo enroscar no coto umbilical, também podem fazer a criança chorar. É importante estar atento a isso.”

Dica: “Se o choro for contínuo e recorrente, é importante levar o bebê ao médico”, orienta Pirollo.

Como segurar o bebê?

Segurar o bebê e posicioná-lo para que ele esteja sempre confortável é um bom caminho para evitar choros e reclamações. Siga as instruções de Daniela Bonfá Garcia, coordenadora de enfermagem da Maternidade Pro Matre Paulista, que tudo vai dar certo.

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

Posição 1

“Essa é uma posição de aconchego e que pode controlar uma possível cólica, por exemplo. O abdomem dele é um pouco comprimido e o calor do pai vai aquecê-lo. Ela deixa o bebê mais contido e seguro. O certo é colocar as mãos nas costas e na cervical.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

Posição 2

“Sentar com um travesseiro no colo e colocar o bebê com a barriga para baixo é uma posição de conforto para ele descansar ou dormir.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

Posição 3

“Para um possível engasgo, o pai pode colocar o bebê para baixo, apoiado no braço, inclinar um pouco as pernas e ter certeza que a boca dele fique aberta.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

Posição 4

“Se o incômodo do bebê for cólica, o pai pode fazer uma flexão da coxa no abdome para que ele consiga eliminar os gases. Além disso, o pai pode fazer movimentos circulares na região abdominal também.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

Posição 5

“Se o pai quiser colocar o filho no berço, é importante deixar o cobertor de uma forma que o bebê se sinta abraçado e acolhido. Outra posção é deitar o bebê de barriga para cima com a cabeça virada para o lado, que é para evitar engasgo e diminuir o risco de morte súbita.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

Posição 6

“Apoiar o bebê no braço e virado para cima. Nessa posição é importante manter o contato visual e falar com ele para que se sinta confortável e seguro.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

Posição 7

“Outra posição de conforto é com o pai sentado e segurando o bebê com os dois braços nas suas costas e cervical. A interação também é importante nessa posição para que o filho se sinta em um ambiente acolhedor e que tem semelhanças às sensações experimentadas dentro do útero materno. Se os pais costumavam colocar música para ele ouvir antes do nascimento, é bom que ele escute depois do parto também, por exemplo.”

Se esforce, vale a pena.

Fonte Oficial: http://gq.globo.com/Paternidade/noticia/2017/10/guia-pratico-de-sobrevivencia-para-quando-seu-bebe-estiver-chorando.html.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários