Han Solo injeta simplicidade na fórmula de Star Wars – GQ

4

Hora da confissão: meu carinho por Star Wars vem menos da trilogia original de filmes e muito mais pelos velhos Rogue Squadron de Nintendo 64 e o seriado Clone Wars, do Genndy Tartakovsky. Então talvez minha boa fé com Han Solo: uma História Star Wars, filme que estreia esta quinta-feira (24) tenha bastante a ver com esse subtítulo: é só mais uma história Star Wars, um desvio da linha principal.

Mas não é só seu papel como spin-off que me fez curtir as duas horas e quinze minutos de filme. Han Solo é um retorno a tempos mais simples, sem o papo de drama político em larga escala de A Ameaça Fantasma e seus colegas, e sem o tom mítico dos novos longas de J. J. Abrahms. É só um filme sobre um grupo de ladrões trocando sopapos – e alianças – em torno de mercadoria roubada. Mais simples impossível.

Isso se traduz também no momento a momento do filme. Fora um único lance chave para o clímax do filme, Han Solo não é um longa de grandes discursos. Alden Ehrenreich, como Han Solo, e Donald Glover, como o piloto e apostador Lando Calrissian, vivem seus personagens em falas breves, piadas rápidas – e um bocado de cenas de ação. Essa economia é uma escolha sábia, já que nem Ehrenreich nem Glover conseguem convencer 100% no papel. E dá espaço para ótimos momentos de humor e um ritmo muito bem feito. Créditos para a direção de Ron Howard (Uma Mente Brilhante) e os roteiristas Jonathan e Lawrence Kasdan.

E não se engane: Han Solo é galhofa. Apesar dos ares de grande produção, as atuações, piadas e ideias parecem ter saído de um seriado desses de sábado de manhã. Ele inclusive cai no pecado capital de prequels: engatilhar tudo o que compõe o personagem de Han Solo (sua amizade com Chewbacca, a Millenium Falcon e afins) no que parece ser, tipo, uma única semana na vida do cara.

Han Solo: Uma Aventura Star Wars (Foto: Reprodução/YouTube)

Mas nada disso é particularmente ruim: lembro de ter me apaixonado novamente por Uma Nova Esperança justamente pelo jeitão mais pueril, distante do rumo que Star Wars – o fênomeno pop vem tomando. E, po, quem não gostou da última aparição de Yoda?

Então se estiver na cerca a respeito da nova aventura Star Wars, vale, como eu, investigar o que te fez curtir a saga para início de conversa.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários