“Já podem me dar personagens com filhos adultos”, brinca Murilo Rosa – GQ

14

Aos 48 anos, Murilo Rosa já se desprendeu do rótulo de galã. No ar como Jorge em Orgulho e Paixão, o ator será visto a partir do dia 25 de outubro nos cinemas brasileiros como Major Ramiro de Oliveira, um personagem histórico central da trama de A Cabeça de Gumercindo Saraiva, que remonta o cenário da Revolução Federalista, no fim do século XIX.

Lembrado até hoje pelo personagem Afonso Corte Real, da minissérie A Casa das Sete Mulheres, da TV Globo, Murilo Rosa se sente em casa ao ser inserido no passado histórico gaúcho. “Amo o sul e tudo o que ele representa. Seu povo, seus heróis. Poder viver personagens simbólicos é algo que me deixa feliz e honrado”, disse em entrevista à GQ.

Murilo Rosa em "A Cabeça de Gumercindo Saraiva" (Foto: Dulce Helfer)

Na história, o legalista Major divide as atenções com Francisco Saraiva (Leonardo Machado), filho de Gumercindo Saraiva, revolucionário que teve a cabeça cortada pelo personagem de Murilo. Mesmo em lados opostos e com o clima de vingança pairando no ar, os personagens se respeitam e dificilmente serão vistos como “bem e o mal”.

Murilo encontra um paralelo entre a polarização da trama com a política nacional em 2018. “O mundo está em guerra desde sempre. Triste. É muito louco imaginar que estamos vivendo isso hoje no Brasil. Devíamos estar juntos. Nos respeitando. Mesmo com opiniões diferentes. Pena que existem outros interesses”, comenta.

Murilo Rosa em "A Cabeça de Gumercindo Saraiva" (Foto: Dulce Helfer)

Perto dos 50 anos, o ator acredita que a idade, na verdade, traz novas oportunidades na sua carreira. “Representa que já podem me dar personagens com filhos adultos”, brinca, aos risos. “A verdade é que sinto que posso fazer qualquer personagem. E admiro diretores que te propõe novos desafios”, complementa.

Por isso, o rótulo de galã talvez não faça mais tanto sentido. “O ‘galã’ está muito ligado a novelas que fiz e que fizeram sucesso. E claro que muito do que conquistei na vida foi por causa de personagens que caíram no gosto popular. Só posso agradecer. No cinema, isso não importa muito. Vamos em frente”, conclui.

+ “Sempre fui exacerbadamente feminino”, diz Hugo Moura
+ “Não queria ser uma cópia”, diz Renato Góes sobre viver Marcelo D2

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários