Jamie Dornan é aquele cara bonito sem precisar fazer esforço – GQ

12

Gravatas, ternos e fantasias sexuais não definem Jamie Dornan. Ele até pode ser eternamente lembrado por seu papel de Christian Grey na saga 50 Tons de Cinza mas, em nossa conversa com o ator, descobrimos quem ele é além de Sr. Grey.

Apesar de aparecer nos tapetes vermelhos e ensaios fotográficos sempre na estica, Dornan deixou claro que é uma pessoa minimalista. “Pra sair eu escolho uma camiseta branca e jeans. Acho que o quanto mais mais velho eu fico, mais simples eu me visto”, contou à GQ Brasil.

+ Copie o look de Jamie Dornan e quebre a formalidade do costume
+ Um tapinha dói?
+ Cauã Reymond conta como é viver a paternidade na pele

A próxima aparição de Jamie Dornan nos cinemas será no remake de Robin Hood, que estreia dia nesta quinta-feira (20) no Brasil e tem participação de grandes nomes como Jamie Foxx e Taron Egerton. Perguntamo ao ator se ele acha que ter um Robin Hood na sociedade atual seria uma boa ideia e a resposta foi certeira. “Se tivéssemos pessoas como Robin Hood na política, seria ótimo!”, disse.

Abaixo, você confere a entrevista com Jamie Dornan na íntegra:

GQ Brasil: Você está sempre na estica. Por acaso, se preocupa com o que vestir em cada ocasião?
Jamie Doran: Na verdade não, sabia? É algo que eu não me preocupo muito. Se eu vou para algum evento ou fazer algumas fotos, claro. Mas no dia a dia, não. Tenho duas filhas e elas tomam bastante tempo. Então, pra sair eu escolho uma camiseta branca, jeans…algo que seja apresentável. Acho que o quanto mais mais velho eu fico, mais simples eu me visto.

GQ Brasil: Você é um cara que gasta bastante em roupa ou não?
Jamie Dornan: Eu odeio fazer compras! Eu não consigo. Me deixa meio desconfortavel. Quando eu encontro algo ou uma marca que eu goste, eu vou e compro. Mas não suporto ficar pulando de loja em loja pra ver o que tem. 

GQ Brasil: Você estará no novo filme do centenário personagem Robin Hood. O personagem esteve presente na sua infância?
Jamie Dornan: Sim, com certeza! A minha versão preferida , desde pequeno, é a da Disney, em que ele é uma raposa.

GQ Brasil: Você acha que o mundo precisa de um Robin Hood?
Jamie Dornan: Acho que sim. A mensagem que Robin Hood é de partilha, de uma sociedade mais justa. Se tivéssemos pessoas como Robin Hood na política, seria ótimo!

GQ Brasil: Dois dos seus futuros projetos (A Private War e My Dinner with Herve) falam sobre jornalismo de diferentes maneiras. O jornalismo é relevante para você, uma celebridade, nos dias de hoje?
Jamie Dornan: Eu creio que sim, mas para coisas importantes, como o que está acontecendo no mundo, política e guerras. Agora, sobre celebridade, fofocas…Eu nao sei o quanto as pessoas querem saber sobre a vida dos outros, não entendo esse desejo. Mas acho que está um pouco a mais do que deveria, sabe?

GQ Brasil: Você sabia que existe um site chamado “Tudo sobre Jamie Dornan”? E lá descobri que você não se curte sem barba. Confere?
Jamie Dornan: Não acredito (risos)! Sim, é verdade. Eu não me gosto muito sem barba. Tive que raspar algumas vezes, mas acho trabalhoso e chato de se fazer. Se eu puder adiar, eu adio. Eu não tenho muito tempo pra mim de manhã por causa das meninas. Tenho que dar café da manhã e levá-las na escola. É muita coisa para fazer. A barba eu deixo pra depois.

GQ Brasil: E você pelo menos cuida da sua barba?
Jamie Dornan: Hmm…não! Ela só cresce (risos).

Photographer (Foto:  )

GQ Brasil: Você o rosto do novo perfume da Hugo Boss. Então, qual é o cheiro que te lembre a infância?
Jamie Dornan: Eu tenho dois. O primeiro é de grama sendo cortada e o outro é o cheiro da maresia. Eu cresci sempre perto da brisa do mar. Não importa aonde eu estiver, o cheiro do mar relembra a minha casa.

GQ Brasil: Pra você, qual é o cheiro mais sexy do mundo?
Jamie Dornan: Uau! Nossa…provavelmente o cheiro da minha esposa. Ela muda de perfume bastante, mas acho que o cheiro natural dela é o mais sexy.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários