Klebber Toledo: trajetória do herói – GQ

19

Klebber admite: “Camila é a minha kryptonita. Minha família também”. Jaqueta, camiseta e calça, preço sob consulta, Louis Vuitton | Tênis Prada R$ 3.900 (Foto: Pedro Dimitrow)

Klebber Toledo quer salvar o planeta. Essa é a missão que tomou para si e a fala que nem precisa mais decorar – é uma ideia que soa orgânica quando ele resolve expor seu lado pouco seguido pelo público. “Busco fazer a minha parte e entender este poder que tenho”, explica o artista, que usa a sua carreira de mais de uma década para apontar problemas que estão fora da TV. Não apenas denunciar virtualmente essas agruras, mas propor uma tomada de consciência e responsabilidade de quem age para que o futuro seja melhor não apenas para si e os seus. “A arte me deu mais ferramentas para cuidar da natureza, algo que sempre quis fazer. Meu sonho é sair de barco recolhendo plástico no mar”, conta sobre uma visão que tem.

+ O treino de Klebber Toledo para correr uma meia maratona em 45 dias

Defender a Terra é seu chamado e sua motivação para a ação. “Poderia simplesmente colocar a ‘barriga para jogo’, mas quero falar mesmo sobre o desmatamento, a questão indígena. As pessoas esperam que o outro faça algo. Eu não. Estou andando na rua e vendo muito lixo jogado. Não é meu, mas acabo pegando”, afirma ele que, desde 2010, coordena uma ação social – que promove a inclusão – o Encontro na Praça, na cidade mineira de Descoberto. “É minha versão mais feliz. Não tem propósito viver reclamando”, aconselha.

Casaco Ermenegildo Zegna preço sob consulta | Blusa Prada R$ 3.890 (Foto: Pedro Dimitrow)

Alimentar o próprio ego não parece mesmo ser sua praia. Essa é a impressão que temos depois de uma entrevista em que o paulista radicado no Rio de Janeiro discute pautas mundiais e formas de solucioná-las com atitudes coletivas contínuas. “Todo mundo grita, posta foto, mas cadê o movimento? Quase ninguém se mexe. Ficam no celular conversando com o aparelho. Desligam e nada. Não dá para falar ‘vamos salvar os cães de rua’ e nunca pegar um e levar para casa”, alerta Klebber, que adotou a Céu, sua pet, em 2017.

+ Klebber Toledo promove ação social em Mina Gerais

A imagem que temos de seu eu artístico vai em desencontro com sua atitude como um ativista do cotidiano. “Fazem uma ideia superficial de mim. Tenho uma fisionomia que aponta para a direção contrária ao meu eu real. Me olham e pensam que sou vaidoso, que malho. Estou com o corpo em ordem? Porque gosto de esporte. Isso não pode ser um mérito”, comenta sobre o título honorário de galã conquistado por acumular mocinhos na ficção ou tipos em que seu físico é tão importante quanto sua capacidade de se mimetizar em um personagem. “Este rótulo me fortalece. Mas quero quebrá-lo e venho conseguindo fazer isso, o que tem me dado muito prazer”, salienta. “Hoje me vejo com os dois pés no chão e peito aberto. Não estou me defendendo, quero que me atinjam. Sou um alvo ambulante por escolha. A gente se coloca em risco. Como no teatro em que você está ali, vulnerável, com todos assistindo às suas inseguranças”, acredita o ator, que se considera um operário do seu ofício e é também um produtor cultural, sócio da empresa de entretenimento 13th Productions, diretor e dramaturgo. Além de ex-jogador de vôlei – esporte que o tirou de casa aos 15 (hoje está com 33) e de onde trouxe o aprendizado que o fez entender a importância do trabalho em equipe e a disciplina. “Tenho saudade da sensação de marcar o ponto, sabe? Mas naquela época passei fome demais, era triste. Tínhamos que trancar a comida. Chegava a cesta básica, roubavam o que era seu, ficava sem”, relembra o ator-atleta.

“Poderia simplesmente colocar a ‘barriga para jogo’, mas quero falar mesmo sobre a questão indígena”, afirma Klebber. Camisa R$ 367,77, camiseta R$ 137,77 e calça R$ 229,77 Acostamento | Relógio Santos-Dumont Cartier R$ 25.100 (Foto: Pedro Dimitrow)

Aqui sai de cena sua versão Clark Kent. Entra no ar sua caracterização como Super-Homem. Esse é o herói dos quadrinhos que gostaria de ser caso tivesse nascido em Krypton. “Quero ajudar. Vou ter minha ONG, minha área de preservação ambiental, quem sabe um rancho para animais. É meu legado”, sonha em voz alta ao se comparar com o salvador criado pela DC Comics, acrescentando aqui toques pessoais de sustentabilidade para fazedores do bem dos dias atuais. “Antes dos meus próprios projetos, sempre entreguei sopa, distribuí roupas. Gostaria de ser lembrado como alguém que se importa com os outros. Acredito nessa lealdade”, complementa.

+ Klebber Toledo: “A Camila se liga mais em moda do que eu”

“Você é leal por amor?”, questiona ele que, neste mês de agosto, completa um ano casado com a atriz Camila Queiroz, que poderíamos chamar de Lois Lane, o par romântico do superpoderoso das HQs criado por Jerry Siegel e Joe Shuster. Dessa celebração, cuja cerimônia religiosa aconteceu em Jericoacoara (Ceará), surgiu um desejo incomum a muitos brasileiros, o de adotar o sobrenome da esposa que já incorporou o seu. “Ainda estou fazendo o pedido. Queria ter mudado no cartório”, revela sua vontade. “Fiz isso porque não é apenas a união de dois corpos, são famílias. O nome eu posso modificar, mas o que minha esposa está fazendo na minha vida nunca vai mudar”, entrega Klebber Queiroz Toledo, que abre um pouco da privacidade do casal e conta que os dois não costumam brigar. “A gente se dá muito bem. São três anos juntos [desde o namoro] que parecem 10. Nunca vou ser grosseiro com ela e jamais dormimos sem nos falar”, aponta o esposo zeloso que ainda admite: “Camila é a minha kryptonita. Minha família também. A única coisa que me derrubaria é se acontecesse algo com eles. Fora isso, sou bem forte. Me considero um batalhador, um guerreiro”.

Fotos: Pedro Dimitrow
Stylist: Lucas Boccalão 
Beleza: Vanessa Sena (OD MGT)  
Produção Executiva: Enzo Amendola
Assistente de produção: Andrea Zilet
Produtores de moda: Diego Jagun e Fernando Batista
Assistente de foto: Adrian Ikematsu
Agradecimento: Tapetah
Klebber veste Acostamento e acessórios Guerreiro

Jaqueta R$ 7.310 e calça R$ 4.480 Gucci | Colar Guerreiro preço sob consulta (Foto: Pedro Dimitrow)

Casaco R$ 10.500, camiseta R$ 1.400 e calça R$ 2.400 Dolce & Gabbana | Tênis Prada R$ 3.580 | Colar Guerreiro preço sob consulta (Foto: Pedro Dimitrow)

Jaqueta Polo Ralph Lauren R$ 810 | Camiseta R$ 137,77, calça R$ 229,77 e bota R$ 333,50 Acostamento | Colar Guerreiro preço sob consulta | Tapete Leaf da Tapetah preço sob consulta (Foto: Pedro Dimitrow)

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários