Livros mais vendidos da Flip são quase todos de autoras mulheres – GQ

12

Quem deixou para comprar o livro antes da sessão de autógrafos enfrentou filas enormes na Livraria da Travessa durante a Flip. Em sua 16ª edição, a Festa Literária mais tradicional do país chegou ao fim neste domingo (29) com uma lista de 20 mais vendidos quase toda formada por mulheres.

Só de Hilda Hilst, a homenageada do ano, foram seis, entre eles o conciso volume de poesias “Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão”, a R$ 24,90 – o mais vendido – e a coletânea “Porno Chic”, respectivamente da Companhia das Letras e da Biblioteca Azul.

A brasileira Djamila Ribeiro e a portuguesa Isabela Figueiredo têm, cada uma, duas obras entre as mais vendidas. Djamila lançou no evento “Quem tem medo do feminismo negro” (Companhia das Letras) e, Isabella, “Caderno de Memórias Coloniais” (Todavia).

Entre os estrangeiros, Leïla Slimani encabeça a lista com “Canção de Ninar”, Prêmio Goncourt 2016, quarta posição no ranking total. Em sua mesa na Flip, a autora franco-marroquina falou sobre seu primeiro romance, “O Jardim do Ogro”, ainda sem edição brasileira. A recepção de público foi tão boa que a Travessa vendeu todas as cópias do original em francês.

+ Christopher de Hamel ressalta a importância dos manuscritos durante a 16ª Flip

+ Autores convidados da Flip elegem os livros que levariam para uma ilha deserta

 + “O mundo voltou ao estado natural de caos”, diz historiador inglês Simon Sebag Montefiore na Flip

+ “Falar das coisas íntimas faz delas universais”, diz escritora marroquina Leila Slimani na Flip

+ Christopher de Hamel ressalta a importância dos manuscritos durante a 16ª Flip

A russa Liudmila Petruchévskaia – que fez um verdadeiro show em sua mesa no sábado à noite – vendeu quase 300 cópias de sua coletânea de contos de fada de horror, “Era uma vez uma mulher que tentou matar o bebê da vizinha” (Companhia das Letras).

Além dos dois livros da portuguesa Isabela Figueiredo, fazem parte da lista “Memórias do Porco Espinho” (Malê), do congolês Alain Mabanckou, “The Underground Road: Os Caminhos da Liberdade” (Harper Collins), do vencedor do Pulitzer Colson Whitehead, “Adua”(Nós), da italiana Igia Scego e “Me Chame pelo seu nome” (Intrínseca), de André Aciman.

As informações são da área de comunicação e marketing da Livraria Travessa, livraria oficial da Flip.

Confira abaixo a lista completa:

1.     Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão – Hilda Hilst (Companhia das Letras)

2.     O que é lugar de fala? – Djamila Ribeiro (Grupo Editorial Letramento)

3.     O sol na cabeça – Geovanni Martins (Companhia das Letras)

4.     Canção de Ninar – Leïla Slimani (Tusquets)

5.     Quem tem medo do feminismo negro – Djamila Ribeiro (Companhia das Letras)

6.     De Amor Tenho Vivido: 50 Poemas – Hilda Hilst (Companhia das Letras)

7.     Poesia que transforma – Bráulio Bessa (Sextante)

8.     Era uma vez uma mulher que tentou matar o bebê da vizinha – Histórias e Contos de Fada Assustadores – Liudmila Petruchévskaia – (Companhia das Letras)

9.     Caderno de Memórias Coloniais – Isabella Figueiredo (Todavia)

10.  Memórias de Porco-Espinho – Alain Mabanckou (Malê)

11.  A Gorda – Isabella Figueiredo (Todavia)

12.  Porno Chic – Hilda Hilst (Biblioteca Azul)

13.  Eu e Não Outra: A vida intensa de Hilda Hilst – Folgueira (Tordesilhas)

14.  Da Poesia – Hilda Hilst (Companhia das Letras)

15.  The Underground Road – Os Caminhos da Liberdade – Colson Whitehead (Harper Collins)

16.  Adua – Igia Scego (Nós)

17.  As Aventuras na Netoland com Luccas Neto – Luccas Neto (Ediouro)

18.  Me Chame Pelo Seu Nome – André Aciman (Intrínseca)

19.  Box da Prosa – Hilda Hilst (Companhia das Letras)

20.  132 Crônicas: Cascos e Carícias e Outros Escritos – Hilda Hilst (Nova Fronteira)

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários