Marina Ruy Barbosa relembra início de carreira: “Recebi alguns ‘nãos’, mas chegou minha vez” – GQ

7

Marina Ruy Barbosa, nossa mulher do ano, ganhou destaque na novela Começar de Novo, de 2004, como Aninha. Mais de uma década, e muitas tramas ficcionais depois, ela está no ar em O Sétimo Guardião como Luz. Pode ainda ser vista nos cinemas nos filmes Sequestro Relâmpago, de Tata Amaral, e Todas as Canções de Amor, de Joana Mariani.

A pedido da GQ Brasil, a atriz, que brilhou no lançamento de nossa edição de dezembro/janeiro, relembra o início de sua trajetória nos palcos e telas:

Sobre os primeiros testes:
“Foi minha mãe [Gioconda Ruy Barbosa] quem me acompanhou nos primeiros testes para os trabalhos. Às vezes tinham 200, 300 meninas e esperas intermináveis até chegar minha vez. A minha mãe sempre perguntava: ‘Você tem certeza que quer ficar?’ E eu falava: ‘Tenho’. Nunca reclamei. Recebi alguns nãos, mas chegou minha vez.”

+ Marina Ruy Barbosa faz previsão: ‘Aos 33 provavelmente já serei mãe’

+ Se ser certinha é ser profissional, não vejo problema nisso’, diz Marina

+ Marina Ruy Barbosa deixa fama de ‘frágil e doce’ de lado

Sobre planejar a carreira:
“Sempre fiz de tudo para conquistar meu espaço e meu lugar. Mesmo sabendo que era difícil – ainda mais começando criança – manter uma carreira interessante, crescer aos olhos do público e receber a confiança de ter bons papéis… Trabalhei muito para viver da minha arte, fazer do meu amor por atuar minha profissão, ser respeitada por isso, construir minha trajetória. Esse sempre foi um desejo. Como isso iria se desenhar eu não sabia. Mas sempre segui meu feeling e orientação e conselhos de pessoas que admiro e confio.”

Sobre sua incursão dupla nos cinemas:
“Foi o primeiro passo para esse meu encontro com o cinema, uma coisa que já queria há muito tempo. Tata Amaral é incrível e só de receber o convite para Sequestro Relâmpago já foi demais. A preparação do filme, com Fátima Toledo, é um capítulo à parte. Intenso e rico, um processo que me levou ao limite das experiências propostas por ela. Tudo foi bem especial, desde as filmagens madrugada adentro até a temática. Já Todas as Canções de Amor é uma obra poética, que homenageia a música brasileira e com o olhar tão sensível da Joana Mariani. Tenho orgulho de ter feito parte desse projeto tão bonito.”

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários