Milhões em bitcoins “presos” por causa da morte de dono de bolsa de criptomoeda poderão ser recuperados – Notas – Glamurama

6

O fundador do site QuadrigaCX morreu e levou consigo as senhas da bolsa de criptomoedas || Créditos: Getty Images

Os US$ 190 milhões (R$ 699 milhões) “presos” na maior bolsa de criptomoedas do Canadá, o site QuadrigaCX, já estão em processo de serem recuperados. Pra quem não acompanhou a história, o fundador e principal executivo da plataforma virtual, Gerald Cotten, morreu de repente no fim do ano passado durante uma viagem de negócios para a Índia, e levou consigo as senhas para acessar os milhões guardados online em bitcoins e afins de seus clientes.

Acontece que isso é, aparentemente, algo bastante comum: estimativas apontam que há pelo menos US$ 13,7 bilhões  (R$ 50,4 bilhões) em criptomoedas circulando “perdidos” pelas redes de blockchain mundo afora por motivos tão banais como uma simples “password” esquecida.

Expert em resolver questões como essa e fundador da KeychainX, uma empresa que surgiu justamente para lucrar com pepinos como os atualmente enfrentados pelo pessoal da QuadrigaX, o americano Robert Rhodin já foi chamado por eles e está confiante de que pode resolver o imbróglio.

“Por vezes a solução é algo como ‘rebeccaissexy’”, disse Rhodin em entrevista para a “Fortune”, mencionando uma cliente rica chamada Rebecca que não lembrava de jeito nenhum do termo que escolheu para proteger seus milhões em BTCs. Em tempo: sim, ela recuperou a grana mas não escapou do carão.

Voltando ao caso da QuadrigaCX, Rhodin contou para a revista americana que o segredo só pode estar no laptop de Cotten. “Basta ‘quebrar’ a criptografia das informações pessoais que ele armazenava para tentar descobrir suas senhas”, explicou, antes de frisar que nessas ocasiões sempre surgem fatos que muitas pessoas prefeririam deixar bem escondidos. Ainda assim, é melhor do que ficar no vermelho… (Por Anderson Antunes)

Fonte oficial: Glamurama

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários