Morre Charles Aznavour, o “Frank Sinatra da França” – GQ

2

Charles Aznavour morreu nesta segunda-feira (1º), aos 94 anos, segundo a mídia francesa. Ainda não há informações sobre a causa da sua morte, mas a comoção foi imediata. Afinal, trata-se de um fenômeno popular comparado muitas vezes a Frank Sinatra.

O paralelo faz sentido. Além do romantismo classudo, os números: assim como Sinatra, Aznavour também teve imenso sucesso comercial, com mais de 100 milhões de discos vendidos em diferentes países. Para um artista europeu, um feito gigantesco.

Além disso, há a forte ligação com o cinema como fator comum entre os dois astros. “She”, maior sucesso de Aznavour, se tornou um hit ainda maior quando foi trilha sonora de “Um Lugar Chamado Nothing Hill”, ainda que na voz de Elvis Costello.

E Aznavour, tal qual o americano, não fazia feio como ator.  Entre seus 60 filmes, teve a honra de estrelar “Atirem no Pianista”, clássico de François Truffaut em 1960, e ainda atuou em “O Tambor”, em 1979, longa francês que levou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

No campo da vida pessoal, teve um notório romance com outro nome lendário da música francesa, Édith Piaf. Filho de pais armênios, foi muitas vezes exaltado como exemplo do multiculturalismo francês. Deixou seis filhos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários