Na esteira da popularização da bicicleta, Caloi planeja dobrar sua produção – GQ

7

Seja por mudanças de comportamento em grandes cidades, políticas públicas sobre o modal ou iniciativas privadas como serviços de compartilhamento, o brasileiro vem adotando mais a bicicleta. E o mercado responde de acordo. A Caloi, umas das maiores players do setor no Brasil, planeja dobrar sua produção esse ano na fábrica de Manaus entre 2019 e 2020. De 600 mil unidades ao ano, a empresa quer alcançar 1,2 milhões de novas bicicletas fabricadas e lançadas no mercado. As informações são do Valor.

No geral, o aquecimento da indústria não é apenas impressão. Segundo a associação de fabricantes Abraciclo, a produção do setor deve alcançar as 765 mil unidades em 2018, um aumento na casa de 15% em comparação com 2017. Considerado o mercado de bikes como um todo, esse volume cresce para 2,5 milhões de unidades por ano.

Para aproveitar esse fluxo, a Caloi planeja retornar ao slogan ‘Não esqueça a minha Caloi’, clássico dos anos 80. Mas com um porém: ao invés de se focar no público infantill, a fabricante mira no adulto ciclista. “‘Não esqueça minha Caloi’ significa não esquecer que os ciclistas estão nas ruas, nos espaços públicos, e precisam de respeito e segurança”, explica Cyro Gazola, presidente da Caloi, em conversa com o Valor.

+ Brasileiro está pedalando mais de 9 mil Km na maior competição de ultradistância de bike do mundo
+ A bike de ouro da Dior custa R$ 18.500
+ Quem é a startup de bikes elétricas que conquista cada vez mais clientes (e investidores)

Serviços como o Yellow também são importantes para a marca: as mais de 500 bicicletas amarelinhas rodando por São Paulo, afinal, são Caloi.

Para alcançar sua nova meta de produção, a empresa contará com aporte de R$ 20 milhões do grupo canadense Dorel, dona da fabricante desde 2013.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários