Nego Bala mescla estilos para transformar o funk em um ‘estado de espírito’ – GQ

20

Jaqueta Minha Avó Tinha | Camisa Ellus | Gravata Ricardo Almeida (Foto: Rogger Cordeiro Styling: Gabriel Feriani Grooming: Paula Vida)

“Tem o tempo de plantar e o de colher. Em todos esses momentos, meu pai estava do meu lado. No show da Xbórnia no clube cultural Mundo Pensante, minha primeira apresentação oficial em São Paulo, ele ficou lá super feliz de me ver acompanhado de músicos de altíssimo nível. ‘Nunca imaginei o meu filho tocando com banda’, me disse. Hoje olho a felicidade no rosto dele e seu sorriso cheio de orgulho. Isso para mim não tem preço”, reconhece Nego Bala, um dos expoentes do projeto GQ Vozes, radar que aponta para os nomes da música brasileira contemporânea, sobre a presença do progenitor, Altair Generoso, nos altos e baixos de sua trajetória de vida.

+ Ballet das periferias paulistanas é homenageado em gala em Nova York
+ BaianaSystem apresenta novo disco no Coala Festival. “Mergulhamos na diáspora”


Smoking, camisa, gravata e sapatos Dolce & Gabbana | Meias Lupo | Aneis Acervo Nego Bala (Foto: Rogger Cordeiro Styling: Gabriel Feriani Grooming: Paula Vida)

Um dos representantes do que está sendo chamado de funk consciente, com letras nada explícitas, ele conceitua seu som como um “estado de espírito” e mistura a batida à sonoridade do jazz, à malemolência do samba e à crueza do rap. “A música negra está em tudo, honro minhas raízes. O jazz era de criminoso, de viciado, e hoje é executado até por orquestras sinfônicas; e o funk está vivendo algo parecido. Ninguém quer ele comparado à arte. É nessa lacuna que entro, para quebrar essa visão quadrada”, argumenta o artista paulistano de 21 anos, nascido Marcelo Abdnego Justino Generoso, que está em estúdio para gravar seu primeiro disco, previsto para o início de 2020. “Em pensar que tudo começou na Cracolândia, um lugar difícil de sonhar. Agora vivo a possibilidade de ver isso se tornar concreto”, recorda Nego Bala. Ao se autodefinir como um “pé no chão que pensa alto”, lembra que se lançou nas paradas com o primeiro single, Buraco no Céu, no final de 2018.


Jaqueta e calça Louis Vuitton | Óculos Prada na Luxottica (Foto: Rogger Cordeiro Styling: Gabriel Feriani Grooming: Paula Vida)


Jaqueta The Saint | Tricô de gola rulê Acervo | Calça Dolce & Gabbana (Foto: Rogger Cordeiro Styling: Gabriel Feriani Grooming: Paula Vida)

De biografia marcada por luta diária e alguns reveses, ele transformou passagens pela Fundação Casa (antiga Febem), onde conheceu a musicalidade de Criolo (um de seus ídolos), e pela prisão, quando desenvolveu o desejo de se tornar cantor, em visões contadas em rima. “Fiquei um pouco mais de dois anos na cadeia. Cantar para mim era uma questão de sobrevivência. Apesar dessas passagens tristes, ainda consigo ver tudo com leveza. Minha música está diretamente conectada a essa verdade, ela traduz o que sou”, adianta ele que acabou de gravar o clipe Cifrão In’Pé na Penitenciária Desembargador Adriano Marrey, em Guarulhos – a canção que deu origem ao vídeo vem de uma letra escrita em seus tempos de clausura.


Casaco e Calça Emporio Armani | Botas Minha Avó Tinha | Camiseta Forum | Óculos Polaroid (Foto: Rogger Cordeiro Styling: Gabriel Feriani Grooming: Paula Vida)


Camisa Avah! | Colete Uan Sul Crylor | Calça Minha Avó Tinha | Sapatos Shoestock | Óculos Gucci na Go Eyewear | Bolsa Louis Vuitton | Cinto Calvin Klein | Meias Lupo  (Foto: Rogger Cordeiro Styling: Gabriel Feriani Grooming: Paula Vida)

Autodidata no showbizz e leitor voraz, o funkeiro tem Paulo Freire, o educador brasileiro e autor de Pedagogia do Oprimido, como um dos seus mentores. “Ele mostrou que posso transformar a minha realidade em arte. Agora estou com o livro 400×1 – Uma História do Comando Vermelho, do William da Silva. Este ano já li [Sigmund] Freud, [Nicolau] Maquiavel, Sun Tzu, Mario Quintana, Pablo Neruda e I Ching. Ler é um dos principais combustíveis para o meu trabalho”, acrescenta ele que tem um gosto musical tão eclético quando sua lista de livros. Em sua playlist estão a ópera Akhnaten, de Philip Glass, o novo álbum do Black Alien (Abaixo de Zero: Hello Hell), Deus é Mulher, de Elza Soares, além de hits de Felipe Boladão, Sabotage, Duda Beat, Bezerra da Silva, 2Pac, BK e MC Caverinha.


Camisa Avah! | Colete Uan Sul Crylor | Calça Minha Avó Tinha | Óculos Gucci na Go Eyewear | Bolsa Louis Vuitton | Cinto Calvin Klein | Aneis Acervo (Foto: Rogger Cordeiro Styling: Gabriel Feriani Grooming: Paula Vida)

Fotos Rogger Cordeiro / Styling Gabriel Feriani / Produção de moda Gustavo Souza / Assist. de moda Nairobi Ayobami / Grooming Paula Vida / Assist. de grooming Giovanna Gayotto | Assist. de fotografia Moisés Almeida

Acompanha tudo de GQ? Agora você pode ler as edições e matérias exclusivas no Globo Mais,o app com conteúdo para todos os momentos do seu dia. Baixe agora!

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários