Nico, musa de Andy Warhol e vocalista do The Velvet Underground, ganha cinebiografia – GQ

5

Christa Päffgen, mais conhecida como Nico, ganha cinebiografia roteirizada e dirigida pela atriz Susanna Nicchiarelli. A cantora, que alcançou fama como vocalista da banda The Velvet Underground e foi musa do pai da pop art, Andy Warhol, tem seus últimos anos de vida (e sua derradeira turnê solo) contados no filme Nico, 1988, premiado na mostra Horizontes do Festival de Veneza (em 2017), que estreia nos cinemas brasileiros neste mês.

Veja o trailer de Nico,1988:

A femme fatale do rock é vivida por Trine Dyrholm – vencedora do prêmio de melhor atriz no Festival de Berlim (em 2016) por sua atuação no filme The Comune, de Thomas Vinterberg – que canta alguns dos hits imortalizados por Nico, como “All Tomorrow’s Parties” e “My Heart is Empty”. “Minha vida começou depois do Velvet Underground, quando comecei a fazer a minha própria música. Foi ideia do Jim Morrison, ele me pediu para escrever meus sonhos” e “Eu sou feia? Que bom, porque eu não era feliz quando era bonita” são frases emblemáticas da artista na película. O road-movie mostra partes sombrias da vida da ex-modelo e musa indie, como a relação com o filho, Ari (a paternidade, não confirmada, foi atribuída ao astro francês Alain Delon) e seu vício em heroína.

+ Retratos de Andy Warhol e Jean-Michel Basquiat ganham exposição

+ Os ícones do rock que ditaram moda

Além de sua carreira na moda e na música, ela – que morreu aos 49 anos em Ibiza – também participou de A Doce Vida (1960), obra-prima do cineasta Federico Fellini.

Reveja o encontro de Marcello Mastroianni e Nico na ficção:

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários